A História do Amor (Nicole Krauss)

historiaamor(Insira aqui parágrafo introdutório comentando a dificuldade de escrever sobre um livro que você adorou, além de aviso de possíveis spoilers)

A História do Amor. Ahhhhh, A História do Amor. Pega um título desses e já toca O Amor e o Poder na minha cabeça e penso que lá vem um daqueles livros fofos de romances improváveis que vá lá, eu curto mas no fim é sempre mais do mesmo. Vou confessar aqui que o livro só apareceu no meu radar por causa de um post no tumblr. Pois é. Aparentemente todo mundo já tinha ouvido falar, já leu ou morre de vontade de ler, e eu não fazia a menor ideia de que existia esse livro por aí. O tal do post reforçava um pouco minha ideia sobre qual seria o enredo da obra, no final das contas. Era esta imagem:

(clique para ampliá-la)
(clique para ampliá-la)

Continue lendo

Send to Kindle

Garota Exemplar (Gone Girl, 2014)

enhanced-buzz-wide-28958-1406900006-11Lembro que cheguei a escrever no meu post sobre o livro Garota Exemplar que essa era uma história que sobrevivia ao spoiler: mesmo você sabendo detalhes importantes do enredo, ainda assim valia a pena ler. E até por isso fiquei bastante ansiosa sobre a adaptação para o cinema, dirigida por David Fincher (de quem eu curto alguns trabalhos, mas não chego a ser pagadora de pau, etc.). Uns tempos depois, saiu por aí uma notícia de que a Gillian Flynn (autora do livro e responsável pelo roteiro) tinha alterado o final, o que obviamente aumentou minha curiosidade – alterou como? O que muda? E lá vou eu, tão logo o filme chega aos cinemas para conferir.

Antes de continuar a comentar aqui, vale lembrar que ainda acho que seja uma história que vale a pena mesmo com spoilers (embora agora esteja cá co a dúvida se um aspecto realmente não se perde quando você aprende uma coisa ou duas sobre as personagens), mas que caso você seja do tipo que se importa MUITO com isso, é melhor não continuar a ler o que escreverei aqui.  Ok? Ok. Vamos lá.

Continue lendo

Send to Kindle

Imagina as pessoa tudo

Ontem saiu notícia de que a “bancada evangélica” da câmara de vereadores de Curitiba estava criticando o conteúdo da página da Prefeitura no Facebook, por apoiar o casamento gay. Sei que parece um negócio surreal (tanta coisa para ser feita e vão perder tempo com post no facebook?), mas calma que piora. Cito a reportagem do G1:

Para a vereadora, o casamento só pode ocorrer entre pessoas de sexo distinto. Na opinião dela, o texto publicado pela Prefeitura de Curitiba desconsidera os tradicionais casais heterossexuais que serão atendidos pelo programa. Pimentel ainda argumenta que a benção religiosa seria cerceada e critica a falta de discussão sobre o tema. Carla Pimentel afirmou ainda que não é uma questão religiosa e sim uma questão de princípios de governança, já que considera que a publicação foi tendenciosa para um Estado laico.

Ok, vamos por partes. Primeiro: “o texto publicado pela Prefeitura de Curitiba desconsidera os tradicionais casais heterossexuais que serão atendidos pelo programa”. O post que tanta revolta causou foi esse aqui:

10649717_771321696244970_7279938203227425026_n

Continue lendo

Send to Kindle

The Vacationers (Emma Straub)

22394275Então. Chega o verão e as editoras aqui parecem seguir um movimento contrário ao das editoras gringas: ao invés de lançarem suas apostas (pelo menos no sentido de livros mais populares), parecem dar uma segurada nos lançamentos. Acredito que tenha a ver com o fato de nosso verão coincidir com o fim do ano, de qualquer forma acabamos ficando sem essa experiência interessante que é a leitura de verão para eles. Promoções mil nas livrarias, títulos novinhos chegando nas prateleiras e aquela curiosidade sobre qual, quaaaaaal será o livro do verão.

Bom, esse ano lá fora aqui e acolá pipocou o nome The Vacationers, de Emma Straub. Até faz sentido, já que a história gira em torno da viagem de uma família disfuncional para Maiorca, na Espanha. Piscina, praia, sol, areia… meio que parece perfeito para a estação. Detalhe é que o livro simplesmente não é lá essas coisas. Sabe aquele carinha esforçado que estuda pacas mas só consegue tirar nota cinco? Algo assim.

Continue lendo

Send to Kindle

You see, there are still faint glimmers of civilization left in this barbaric slaughterhouse that was once known as humanity

tumblr_n7spxcXUiz1qfqx4io1_1280Então. Ia escrever sobre Subject Steve do Sam Lipsyte, abri o editor mas me dei conta que é um livro com bons momentos mas que não mexeu comigo o suficiente para sentar aqui e escrever sobre ele. Basta dizer que tem uma pitada de Tibor Fischer (alou, Sol!), que tem uma ideia bem sacada só que em determinado momento ele começa a se repetir tanto, tanto, que cansa. Seria uma novela excelente, e é um romance mediano.

Mas eis que estava aqui dando uma olhada e notei que não falava dos meus filminhos desde o Oscar e que puxa, um monte de coisa linda, imperdível e inesquecível estava nesse intervalo entre o último post e o que escrevo agora. Como não vou dar conta de falar sobre tudo, deixo os ruins e os maizomeno para lá e vou direto aos que gostaria que alguém tivesse me indicado caso eu já não soubesse deles (é um conceito meio confuso mas já explico sobre isso, peraí). Naquele esquema de sempre, uns comentários breves.

Continue lendo

Send to Kindle

Stoner (John Williams)

stoner“Senhoras e senhores!!! Vocês já o conhecem pelas manchetes dos jornais!! Agora tremam ao ver com seus próprios olhos o mais raro e trágico dos mistérios da natureza!! Apresento… O HOMEM COMUM!!! Fisicamente ridículo, ele possui, por outro lado, uma visão deturpada de valores. Observem o seu repugnante senso de humanidade, a disforme consciência social e o asqueroso otimismo. É mesmo de dar náuseas, não?? O mais repulsivo de tudo são suas frágeis e inúteis noções de ordem e sanidade. Se for submetido a muita pressão… ele QUEBRA!! Então, como ele faz para viver?? Como esse pobre e patético espécime sobrevive ao mundo cruel e irracional de hoje? A triste resposta é… “NÃO MUITO BEM!” Frente ao inegável fato de que a existência humana é louca, casual e sem finalidade, um em cada oito deles fica piradinho!! E quem pode culpá-los? Num mundo psicótico como esse… qualquer outra reação seria LOUCURA!!”

Sei que é estranho abrir um post com uma citação de uma hq. Mas enquanto ia me aproximando do final de Stoner (1965) imediatamente lembrei desse trecho de A Piada Mortal, escrito pelo Alan Moore. O homem comum. William Stoner, o protagonista, é apenas isso, um homem comum. Não há nada de extraordinário em suas ações ou em sua vida. Como já nos primeiros parágrafos o narrador deixa bem evidente:

Stoner’s colleagues, who held him in no particular esteem when he was alive, speak of him rarely now; to the older ones, his name is a reminder of the end that awaits them all, and to the younger ones it is merely a sound which evokes no sense of past and no identity with which they can associate themselves and their careers.

Stoner vive muito dos seus primeiros anos como que no piloto automático. Trabalha na fazenda com o pai, um serviço pesado que ele fazia sem qualquer reclamação porque bem, era o que tinha que ser feito. Surge então uma oportunidade de estudar agronomia na universidade, e ele vai – mais porque o pai acha que será bom para a fazenda deles do que por ele realmente ter alguma vontade em especial sobre isso.

Continue lendo

Send to Kindle

This One Is Mine (Maria Semple)

thisoneNada como a leitura de um outro título do mesmo autor para entender o que fez com que você gostasse tanto da primeira leitura. Estava dando uma sondada aleatória na Amazon, vi uma capa num padrão familiar e “Uou, livro novo da Maria Semple?”. Bom, não é novo. É anterior ao Cadê você Bernadette?, mas essa edição nova chegou no fim de agosto e tem a tal da capa que comentei (e que ilustra esse post).

This One Is Mine foi o primeiro livro da Maria Semple, publicado em 2008. Pelo que eu entendi, marcou um pouco a transição da carreira dela de roteirista de séries de TV para escritora. É um primeiro livro, deve ser avaliado como tal e blablabla, mas meudeus, que decepção.

Continue lendo

Send to Kindle

Um pandemônio.