Tópicos Especiais em Física das Calamidades (Marisha Pessl)

topicosFico imaginando o trabalho que deve ter dado para o pessoal do marketing da Nova Fronteira na época em que Tópicos Especiais em Física das Calamidades da Marisha Pessl foi lançado aqui no Brasil. Porque ele deve ser um pesadelo para quem precisa ter algo mais ou menos rotulado e ter público-alvo definido, não é bolinho mesmo. O modo como ele vai se transformando página após página foge do previsível não só em termos de enredo: é uma experiência nova, que vai exigir um tico de paciência, sim, mas que depois vale a pena.

Antes de continuar, algumas informações: a primeira é que o livro foi originalmente publicado em 2006 lá fora e chegou por aqui em 2008 (mas nada tira da minha cabeça que a Pessl criou sua protagonista como uma adolescente da década de 90, embora no livro as datas não batam). Além disso, vale dizer que eu li a edição americana, então já peço desculpas por alguns termos e citações em inglês – não tenho certeza de como ficou na tradução e prefiro não arriscar. Finalmente: ahm, spoilers. Não que seja um livro que dependa de surpresas para agradar (a autora revela muita coisa do fim já no início, para falar bem a verdade), mas nunca é demais avisar.

Continue lendo “Tópicos Especiais em Física das Calamidades (Marisha Pessl)”

Send to Kindle

The Grownup (Gillian Flynn)

gillianEu adoro o trabalho da Gillian Flynn. Mesmo. Depois que li Garota Exemplar fui atrás de Dark Places e Sharp Objects (todos saíram pela Intrínseca aqui no Brasil) e então fiquei cá na espera de algo novo dela para ler. Justamente por isso me animei quando The Grownup saiu pelo kindle singles: sabia que era uma história curta, só com 80 páginas (é o formato da coleção, a ideia é vender ebook curto por preço baixo), e até por isso serviria como “aperitivo” para enquanto nenhum romance novo da autora desse as caras por aí.

A novela (ou conto, depende de como você define um e outro) foi publicada originalmente com o título What Do You Do? em uma coletânea organizada por George R. R. Martin chamada Rogues, e logo de cara você consegue captar o estilão da Flynn: narração em primeira pessoa, protagonista mulher com um passado difícil e moral questionável. Aliás, o primeiro parágrafo por si só já é um baita cartão de visitas:

I didn’t stop giving hand jobs because I wasn’t good at it. I stopped giving hand jobs because I was the best at it.

Continue lendo “The Grownup (Gillian Flynn)”

Send to Kindle

Sandman: Overture

overtureConheci Sandman na época do cursinho. Matava aula para garimpar X-Men nos sebos do Largo da Ordem e de alguma forma acabei sendo apresentada à Gibiteca de Curitiba, onde os volumes publicados pela Editora Globo eram agrupados e encadernados por arcos. E se até hoje em dia eu sou toda fangilrzinha de Sandman (e do Gaiman?) é por causa de uma sensação que eu tinha toda vez que fechava um daqueles livrões e voltava à realidade.

Nunca consegui colocar em palavras e acho que não será agora que conseguirei, mas o ato de fechar o livro depois de ler Sandman era algo como ser jogada para fora de outro mundo. Se no caminho para o ponto de ônibus eu encontrasse um cara com cabeça de abóbora fumando um charuto, eu não ficaria assustada. É quase como se eu de fato saísse do Sonhar cada vez que parava de ler Sandman.

E se falo tudo isso é porque esta sensação, esse um pé no Sonhar e outro no mundo Desperto, acabou se repetindo no momento que acabei a leitura de Sandman: Overture. O que poderia ser considerado um arco “prequel” de Sandman foi publicado lá fora entre outubro de 2013 e novembro de 2015, os seis volumes estão agora saindo aqui no Brasil pela Panini como Sandman: Prelúdio (do que vi, parece que só dois volumes foram publicados até o momento). Eu tinha me animado já na época que o Gaiman foi ao twitter contar que estava trabalhando em histórias novas de Sonho, mas acabei enrolando a leitura porque a) queria ler quando a série já estivesse completa, b) esqueci que queria ler quando já estivesse completa. Foi uma conversa com a Kika (amiga que conheci por causa de Sandman 😉 ) que fez com que eu finalmente lesse. E bem, como disse: a sensação voltou.  Continue lendo “Sandman: Overture”

Send to Kindle

A Little Life (Hanya Yanagihara)

alittlelifeEu não sei bem onde começar sobre A Little Life, que chegará pela Record aqui no Brasil agora no primeiro semestre de 2016. É muita coisa. Pelo número de páginas (700 e tantas), era de se imaginar que tivesse “muita coisa”, mas assim, não digo só em termos de eventos ocorridos ou número de personagens. Tematicamente A Little Life é amplo, daqueles livros que você sabe que resultam em uma infinidade de leituras.

Do que você não escapará em qualquer comentário sobre o romance serão as considerações sobre o quão miserável é a vida do protagonista Jude. É talvez o elemento mais forte, e o que empresta unidade para um romance que, ao se propor narrar toda a vida de um homem de mais de cinquenta anos, acaba sendo tão caótico quanto seria o ato de contar toda a vida de qualquer pessoa real. E é forte, porque Jude se define a partir das tragédias que aconteceram com ele, não a partir dos momentos felizes. Volto a falar sobre a questão da definição mais para frente, mas vamos voltar ao começo.

Continue lendo “A Little Life (Hanya Yanagihara)”

Send to Kindle

Os melhores filmes de 2015

tumblr_inline_nxpjqidk2Q1tcrqfn_500

Opa que quase vira o ano e eu não publico minha lista de filmes favoritos do ano! Explicando para quem chegou agora: eu, uma criatura de hábitos, faço uma lista dos melhores filmes que vi no ano que passou. Sim, subjetiva, com critérios doidos e aquela coisa toda que vocês já viram na lista de melhores leituras desse ano.

De qualquer forma, nunca é demais lembrar: o top10 só inclui filmes lançados no Brasil em 2015, alguns só em festivais. No final do post tem a continuação da lista só para que fique claro o contexto, assim: “Nossa, top10 dela não tem Mad Max?“, aí você vê o resto da lista e descobre que bem, eu não vi Mad Max (ainda).

Ah, sim. Só para manter o registro, as listas dos anos anteriores estão aqui: 2004 | 2005 |2006 | 2007 | 2008 | 2009 | 2010 | 2013 | 2014.

Continue lendo “Os melhores filmes de 2015”

Send to Kindle

The Lobster (2015)

thelobsterA saber: é meu primeiro Yorgos Lanthimos. E era o tipo de filme que só de ler a sinopse eu já sabia que amaria, o que não quer dizer nada porque volta e meia eu me decepciono com filmes que já sabia que amaria? De qualquer modo, gostei tanto, mas tanto, que eu que há tempos não falava de filme por aqui resolvi que estava na hora de dar uma atualizada.

Então, The Lobster. Passou no Brasil no Festival do Rio, não tenho lá grandes esperanças de que vá voltar por aqui no cinema, de qualquer forma se este filme cruzar seu caminho, dá lá as duas horinhas que ele te pede e assista, por mais que o absurdo ou alegorias ou finais em aberto não façam lá muito o seu gosto.

Continue lendo “The Lobster (2015)”

Send to Kindle

As melhores leituras de 2015

tumblr_nc6lmaK6F81s8rlddo1_500E láááá vai mais um ano, e láááá vai mais uma lista de melhores leituras. “Anica, por que melhores leituras e não melhores livros?“. Eu sei lá. Sinto que leitura deixa claro que é algo extremamente pessoal, uma lista com critérios totalmente subjetivos (e às vezes malucos) e assim, minha, só minha. Eu posso ler um livro que está todo mundo adorando e também gostar bastante, mas se não rola aquele TCHAN – como aconteceu com o Fates and Furies, por exemplo, o livro fica de fora.

Este ano estou elaborando a lista sem medo de deixar o último livro de 2015 de fora (porque é uma praga, todo ano sempre depois de fechar a lista eu me encanto por um livro, tipo o How to build a girl da Moran no ano passado). O negócio é que comecei a ler A Little Life e considerando o combo 700 páginas + correria de fim de ano, sei que só termino este em janeiro. Então é isso, né.

Continue lendo “As melhores leituras de 2015”

Send to Kindle