Breaking Bad: Felina (Series Finale)

Caro leitor que ainda não assistiu aos outros episódios de Breaking Bad: é evidente que se o título fala de Felina, este post será sobre Felina, portanto recheado de spoilers. Não seja bobo de continuar lendo isso aqui para depois sair xingando que tomou spoilers. Eu avisei: SPOIIIIIIIIIIIIILERS, SPOILERS MIIIIIIIL. Dica para quem quer começar, Netflix tem todas as temporadas (aqui no Brasil a quinta vai até o episódio 8, no Netflix UK eles já colocaram o episódio 16). E agora você, que já assistiu ao finale, pega na minha mão e vem comigo.

crybitch

Que final. Que final. Como eu tinha comentado no post anterior, não tinha como ter “final feliz”, até porque Walt arrastou todo mundo para o fundo do poço. Eu me sentiria bastante lograda caso o último capítulo da história de Walt fosse, sei lá, com a personagem inventando uma mentira que livrasse sua pele, e aí todo mundo vivendo feliz e contente como se nada tivesse acontecido. Porque não foi só a metanfetamina que aconteceu, muito foi dito e feito e por causa disso para o protagonista sobrava apenas uma vaga redenção. Então veio como um alívio o fato de não termos Walter Jr. abraçando o pai e dizendo que o perdoa, ou qualquer outra variante do tipo.

Continue lendo “Breaking Bad: Felina (Series Finale)”

Breaking Bad: S01E01 até S05E15

bb1Não é como se eu nunca tivesse ouvido falar de Breaking Bad, conhecidos elogiavam bastante, e até despertavam minha curiosidade. Mas é que eu sofro de TdSBCnF (Trauma de Série Boa Cagada no Final) e aí quando láááá na primeira temporada já tinha gente dizendo “É foda, é foda”, eu pensava se não valeria a pena esperar chegar até o fim para ter certeza que não ia ficar ruim no meio do caminho.  Só que aí no começo do mês eu li este artigo aqui, e ficou complicado ficar adiando aquele primeiro episódio (aliás, uma dica, se quiser convencer a assistir algo, não diga “É foda, é foda”, fale como esse cara do post). E então foram duas semanas vendo Breaking Bad em qualquer horário que aparecia disponível, não só para conseguir ver tudo antes do finale, mas porque esse negócio é viciante. O engraçado é que enquanto eu ia comentando uma coisa aqui e acolá do que estava vendo, fui percebendo que eu não era a única pessoa que começou a assistir perto do fim, muito menos a única viciada. E a partir daqui é evidente que os comentários serão spoilers para quem não assistiu Breaking Bad do S01E01 até o S05E15, então não seja bobo de continuar perdendo tempo lendo isso aqui, vai lá ver. É foda, é foda, etc.

Enfim, primeira temporada passou voando (até porque por conta da greve dos roteiristas, ela só teve 7 episódios). Uma questão importante: sempre que vejo um começo de série dou uma chance de três episódios para ela engrenar porque normalmente noto uma estranheza no elenco, seja em “vestir” suas personagens ou mesmo se relacionar com as outras. Vou usar um exemplo bem nada a ver mas que para mim é emblemático: o primeiro episódio de Supernatural chega a dar vergonha alheia. Se você comparar os irmãos Winchester do piloto com os de temporadas mais avançadas, não dá para acreditar que são os mesmos atores nos mesmos papéis. É considerando esse tipo de coisa que criei a regra dos 3 (exemplos de séries que não engrenaram depois do 3 para mim: Girls, Once Upon a Time, Revenge). Enfim, comecei o primeiro episódio de Breaking Bad já sabendo que teria que dar essa chance, o negócio é… não precisou. Fiz um monte de julgamentos sobre situações e personagens que mais para frente revi como completamente errados (sim, a Skyler do primeiro episódio é uma pentelha), mas desde o início tudo parece funcionar tão bem, como se aquele não fosse um primeiro episódio, mas sei lá, algo de uma terceira ou quarta temporada.

Continue lendo “Breaking Bad: S01E01 até S05E15”

Fangirl (Rainbow Rowell)

FANGIRL_CoverDec2012Dois meses e já li três livros da Rowell. Terei virado fangirl? Ok, usei logo o trocadilho para não cair em tentação mais para frente. O negócio é que sim, a moça tem um jeito gostoso de contar história mesmo. Você começa achando que é meio “meh” e depois está completamente envolvido com as personagens, por mais que o drama central da narrativa seja meio bobinho (no caso de Fangirl, bobinho é eufemismo). É, como comentei sobre Eleanor & Park, uma viagem para a adolescência, aquele “matar saudades” de quando você achava que um carinha era a-coisa-mais-importante-do-mundo e variações de outras coisas que te fazem dar um tapa na testa hoje em dia e pensar “Caraca, eu era uma monga”. Mas ao mesmo tempo que você faz isso, já pensa que bem, eram bons tempos e ser monga era permitido e cá está você de boa, então no harm done, vamos lembrar desse período como algo bom. Enfim, acho que deu para entender.

Continuando, eu acho que Fangirl é um presente da Rowell para os Potterheads. Poderia ser para qualquer outro fandom entre os milhares existentes por aí, é evidente, mas você não consegue deixar de lado as óbvias referências e principalmente, da homenagem que a autora presta aos leitores que cresceram (literalmente) lendo Harry Potter. Você sabe, este não é meu caso. Morro de inveja dessa galerinha que mal tinha entrado na adolescência quando leu o primeiro livro e já estava quase chegando na fase adulta quando leu o último. Deve ter sido uma experiência única, crescer junto com um livro. Não à toa esse pessoal é profundamente devotado, e continua falando dos livros como se o último não tivesse sido publicado há o que? Uns seis anos? É essa paixão pelos livros que a Rowell acaba captando ao contar a história de Cather, uma garota completamente obcecada pelas histórias de Simon Snow (o que seria aqui o equivalente de Harry Potter). Dezoito anos, morando fora de casa pela primeira vez, começando a se ambientar na faculdade e mantendo firme o amor pelas histórias de Snow, bem como o gosto por escrever fanfics sobre a personagem.

Continue lendo “Fangirl (Rainbow Rowell)”

Important Artifacts and Personal Property From The Collection of Lenore Doolan and Harold Morris, Including Books, Street Fashion, And Jewelry (Leanne Shapton)

importantOk, a coisa toda começa com esta lista aqui: dez livros para superar uma separação. Não conheço todos, mas assim que bati os olhos em Important Artifacts and Personal Property From The Collection of Lenore Doolan and Harold Morris, Including Books, Street Fashion, And Jewelry de Leanne Shapton na hora fui buscar informações sobre a história, porque veja bem, eu tenho um fraco por títulos bizarros. Então, lendo as informações sobre a obra, descubro que ela é exatamente isso, uma coleção de objetos de duas pessoas, apresentados em um catálogo de leilão. A coisa é que além de um fraco por títulos bizarros, eu tenho também uma queda descarada por qualquer tipo de inovação literária, então é evidente que comprei imediatamente o livro (uma das coisas mais bacanas daquele buy with one click da Amazon, há!)  e comecei a ler.

O livro começa com uma nota dos responsáveis pelo leilão avisando que a introdução ao catálogo seria a reprodução de um cartão postal escrito em 2008 por Harold Morris, o dono dos itens que estão sendo leiloados. No cartão, Morris conta para Lenore que o único relacionamento que ele se arrependia de ter terminado era o que ele tinha com ela. É uma boa sacada de Shapton, porque ela na realidade já está nos entregando que não haverá surpresas: veremos o relacionamento de um casal do começo até o fim. Portanto, o enredo em si é ordinário, mas a forma como ela o desenvolverá que ganha destaque aqui. Primeiro porque a autora conta com o leitor para complementar as lacunas que são deixadas na história, adivinhar o que está acontecendo por conta de simples objetos. Segundo pela ideia que ela acaba desenvolvendo do que é um fim de relacionamento (e falo disso logo mais, calma aí).

Continue lendo “Important Artifacts and Personal Property From The Collection of Lenore Doolan and Harold Morris, Including Books, Street Fashion, And Jewelry (Leanne Shapton)”

Guerra Mundial Z (World War Z)

Então. Eu não tinha qualquer esperança sobre Guerra Mundial Z, na realidade, tinha é a certeza de que seria uma bomba, começando no fato de que nada tinha a ver com o livro do Max Brooks. Mas como a adaptação de Warm Bodies teve nada a ver com o livro e eu achei bacaninha, resolvi dar uma chance. Começam os créditos, que descrevem os eventos anteriores ao momento em que se passa a história, dando a entender que os zumbis aqui são pessoas infectadas por um vírus, provavelmente uma gripe que sofreu mutação. Hum, falam de aquecimento global também. Eu que já acho que a regra número um dos filmes de zumbis é não explicar como eles surgiram achei que o combo vírus + aquecimento global já é muita informação, mas olha, foi muito bem montado. Eu não sou muito de ficar dando trela para créditos, mas tem alguns fatores ali que já fizeram com que eu automaticamente ficasse mais otimista sobre o filme:

a) gostei de como usam imagens da tv para contar a história, mesclando notícias que já apontam para a catástrofe com banalidades como programas de variedade; até que finalmente fica certo que o vírus sofreu mutação, e aí as imagens (mesmo as dos animais) ficam mais fortes, a música PAM PAM PAM vai aumentando a tensão, etc. bom modo de deixar o espectador a par dos eventos, e prepará-lo para o clima geral do filme.

b) é bobagem, mas ainda sobre a trilha (e as letras usadas no crédito), lembrei dos filmes de zumbi da década de 70.

c) Isso:

Alooou? Douglas Adams? " So long and thanks for all the fish?"
Alooou? Douglas Adams? ” So long and thanks for all the fish?”

 

d) E isso:

Michio Kaku <3 <3 <3
Michio Kaku

 

Sim, adoro referências nérdicas. Ok, voltando ao Guerra Mundial Z. Cena típica, família acordando para mais um dia comum (tem algo de Dawn of the Dead naquela cena matutina na cama, btw),  e aí você já está tão escolado com filmes do gênero que sabe que vai dar merda aquele ursinho da menina e o inalador da outra em algum momento, mas ok, continuemos. Chega a cena que apareceu em vários trailers, com a família no carro bem no momento em que a coisa fica feia e então dá para ter uma noção de qual será a configuração do filme: 1) família tentando sobreviver, 2) Gerry (Brad Pitt) buscando o paciente zero/uma cura/whatever ao redor do mundo.

Continue lendo “Guerra Mundial Z (World War Z)”

Como Shakespeare se tornou Shakespeare (Stephen Greenblatt)

ShakespeareO maior problema das biografias sempre me pareceu ser a falta de criatividade de quem as escreve. O modelo que invariavelmente se adota é de transformar a pessoa em personagem, e aí narrar sua vida como um romance linear, partindo da infância até os últimos dias. É evidente que em alguns casos a fórmula funciona porque a pessoa cuja vida é retratada é interessantíssima ((parece bobo dizer isso, como se fosse óbvio que só pessoas interessantíssimas merecessem biografias, mas a verdade é que o fato da pessoa ser famosa ou ter realizado algo grande não faz da vida dela algo que desperte o interesse do leitor)), imagino aqui que deva ser extremamente difícil errar a mão em uma biografia sobre Oscar Wilde ou Voltaire, por exemplo.  Mas no final das contas é isso: o texto pode até ser bom de ler, mas não traz novidades.

Pensava isso pelo menos até ler Como Shakespeare se tornou Shakespeare, de Stephen Greenblatt. O modo como ele escolhe falar sobre a vida daquele que é considerado um dos nomes mais importantes da literatura de língua inglesa é simplesmente genial, indo além da já citada linearidade (sim, começa do “começo”, como qualquer outra biografia) detalhando momentos que foram fundamentais para que as obras de Shakespeare fossem tais como são. O curioso da ideia por trás desse livro, de que Shakespeare era um reflexo do tempo em que vivia, é que enquanto lia lembrava da faculdade, da professora Célia Arns na disciplina sobre Shakespeare dizendo exatamente isso: que Shakespeare só existiu (e consequentemente sua obra) porque ele nasceu naquele exato momento da história. Tivesse surgido hoje em dia, não teríamos o Bardo.

Continue lendo “Como Shakespeare se tornou Shakespeare (Stephen Greenblatt)”

Tipos de perturbação (Lydia Davis)

tiposde

Ok, isso vai parecer estranho, mas vamos começar com os significados da palavra “Perturbação”, de acordo com o dicionário priberam:

perturbação
s. f.
1. Ato ou efeito de perturbar.
2. Desarranjo.
3. Transtorno.
4. Confusão.
5. Alteração.
6. Desordem.
7. Tontura.

perturbar –
(latim perturbo, -are)
v. tr.
1. Mudar, resolver ou alterar a ordem, o concerto, a quietação ou sossego de.
2. Abalar, agitar, transtornar (ex.: perturbar o sossego).
3. Interromper, confundir.
4. Envergonhar.
v. pron.
5. Perder a serenidade de espírito.
6. Atrapalhar-se.
7. Ficar envergonhado; envergonhar-se.

Agora pense o que seria em termos literários captar algo tão abstrato como isso e passar para o papel de uma forma que seu leitor, ao ver as situações descritas, consiga reconhecer imediatamente o que está sendo dito, ou ainda (e mais importante) se reconheça ali. É o que Lydia Davis faz em seu Tipos de perturbação, lançado aqui no Brasil em abril deste ano pela Companhia das Letras. Os textos da coletânea são recortes precisos de momentos aparentemente ordinários, mas que chegam marcados pela estranheza causada pela perturbação que dá nome ao livro.

Submarino (Dunthorne x Ayoade)

submarinoVolta e meia quando você assiste a um filme baseado em um livro, o comentário é qualquer coisa como “É legal, mas o livro é melhor”. É tão comum de acontecer que algumas pessoas chegam a dar de ombros, ou mesmo fazer uma cara de enfado, como se com a linguagem corporal quisesse dizer que é óbvio que o livro é melhor. A razão para isso é bastante simples: enquanto você lê, quem molda o rosto das personagens, a ambientação e outros detalhes é você (às vezes até independente do que o narrador descreve). E meu amigo, é evidente que superar nossa própria imaginação é bastante difícil. Mas aí você acha que já tem uma regra pronta e dá de cara com um caso como Submarino. Ao menos para mim, o filme é superior ao livro, muito embora a obra em si também seja legal. Aliás, note que acaba seguindo o caminho inverso do normal: “É legal, mas o filme é melhor”.

Meu primeiro contato foi com o filme, talvez valha a pena dizer, já até falei brevemente sobre ele aqui. Tinha lá um bom tempo que via imagens dele no tumblr, pensava “Hum, acho que vou gostar desse filme”, mas sempre me enrolava, até que finalmente assisti. Quando acabou, eu já estava fazendo uma busca por informações sobre o filme (incluindo aí o choque ao descobrir que o diretor era o Moss do IT Crowd), vi que era uma adaptação e naquela mesma noite já estava lendo o livro do Dunthorne. E olha, fora uma mudança aqui e outra acolá, a versão do Ayoade é BEM fiel ao original. Como é que pode ficar tão melhor? Bem, para responder isso acho melhor seguirmos aos poucos.

Continue lendo “Submarino (Dunthorne x Ayoade)”

Bibliotecas no cinema

Sim, normalmente elas são só parte do cenário, não tem grande relevância para a história em si, mas mesmo assim estão lá: as bibliotecas. Sejam as grandes bibliotecas públicas ou as confortáveis bibliotecas pessoais, o fato é que algumas ganharam um lugarzinho especial na minha memória, seja por serem belíssimas, seja porque a cena em que elas estavam presentes eram marcantes. E foi por causa disso que resolvi fazer aqui um top5 unindo duas coisas que adoro: livros e filmes. Vamos então para o meu…

TOP 5 CENAS EM BIBLIOTECAS!

5. Três formas de amar (Threesome, 1994)

Eu acho que o filme nem é assim tão imperdível (lembro de ter gostado, mas assisti apenas uma vez), mas é engraçado como anos e anos depois ainda lembro da garota dando uma de Sally na biblioteca da faculdade, é uma cena bem marcante, no final das contas. Sobre o filme, vale se você de alguma forma estiver sentido saudades dos anos 90, porque ele é a cara dessa década (a começar pela trilha sonora).

Continue lendo “Bibliotecas no cinema”

Filminhos (Ou: tentando colocar isto aqui em dia)

tumblr_moq219vNGF1soxvw2o1_400
Atualizando, atualizando lá lá lá

Não vou ser nem doida de comentar aqui neste post sobre todos os filmes que vi e não registrei aqui no blog desde fevereiro. A realidade é que naquela época eu tinha planos de continuar com o “Filmes em 2013“, mas foi acumulando demais, então pensei em transformar em giffy reviews e quando notei, pans, já era setembro. Ano que vem eu tento fazer tudo bem bonitinho desde o começo, por enquanto vou comentar alguns aleatoriamente mais porque eu realmente sinto falta do registro por escrito. São dez anos escrevendo no blog, me acostumei com isso: por algum motivo um título é comentado, eu busco no blog para lembrar o que achei dele e prefiro muito mais algumas breves linhas do que um sistema obtuso de avaliação como o de cinco estrelas ou notas de um a dez. E esse parágrafo todo é na realidade um longo note to self, eu sei, então vamos logo aos filmes.

intocaveisIntocáveis (Intouchables, 2011): Sabe aqueles filmes que você sabe exatamente o que vai acontecer, e mesmo assim você se emociona? Pois é. O enfermeiro de origem humilde vai cuidar de um homem rico que após um acidente ficou quadriplégico. Você sabe: choque cultural, choque de classes, o enfermeiro ensina o ricão a viver os prazeres simples da vida e yadda yadda yadda, mas de fato floresce uma amizade bonita entre eles e não tem como você não se envolver. E o Omar Sy está excelente no papel de Driss, com um sorriso fácil e cativante que realmente te convence. Gostei tanto do filme que fui ler o livro depois, o problema é que o livro é narrado sob o ponto de vista do Philippe, que vá lá, é um babacão. Acabei abandonando a leitura sem dó e não pretendo voltar para aquele livro tão cedo. Continue lendo “Filminhos (Ou: tentando colocar isto aqui em dia)”