Harry Potter e a Pedra Filosofal (J.K. Rowling)

Quando viu que eu estava lendo Harry Potter e a Pedra Filosofal meu amigo perguntou se eu estava querendo entrar no livro dos recordes como a última pessoa a ler esse livro. A piada faz sentido: 13 anos após o lançamento original,10 após a chegada ao Brasil e cá estou eu, na minha primeira-segunda vez com o título.

Explico: já tinha lido anteriormente (tem aí uns sete anos), mas não me agradou. Falaram que a tradução que era meio fraquinha mas que se lesse no original eu iria gostar. E ano após ano eu fui adiando a tal da leitura “no original”, até que vi uma caixa bacana para vender na Amazon e defini uma meta: terminar a série antes de chegar os 30 anos. A saber, tenho 29.

Enfim, a verdade é que me enrolei mesmo mas ok, terminei o primeiro hoje na hora do almoço. O que dizer? são dez anos de pottermaníacos falando sobre o livro, de filme e tudo o mais. Você não sai ileso disso, mesmo que queira. Somando a isso o fato de que eu já tinha lido o primeiro volume, digamos que a sensação que tive durante a leitura foi de um tremendo vale a pena ver de novo.

Mas é aquela velha história de livros mudarem a cada leitura. Sete anos depois, eu não sou mais a mesma e não espero do que leio a mesma coisa que esperava em tempos de faculdade. Aprendi o valor da leitura por puro entretenimento e não procuro em Harry Potter e a Pedra Filosofal o novo Ulisses da língua inglesa. Acho que deu para entender como foi que recebi o texto, certo?

E mesmo já conhecendo todo o desenvolvimento da história, a verdade é que me diverti. A história de Harry Potter lembra muito aqueles joguinhos que precisa terminar um evento para abrir outros. Eu não faço ideia de como fica mais para frente, porque filme eu só vi até o terceiro e livro eu só tinha lido o primeiro, mas a linguagem é simples mesmo – não tem nada daquela balela da tradução, não. Mas oi, livro infanto-juvenil, você espera fluxo de consciência, narradores múltiplos e afins? Lógico que não.

Harry Potter e a Pedra Filosofal encanta pelo enredo, não pela estrutura. Pode não ser também a coisa mais criativa do mundo (yadda yadda yadda, Neil Gaiman) mas foi desenvolvido de um jeito que tem aquele gostinho bom de sessão da tarde. Sendo bem sincera, fechei o livro e me dei conta de como fiquei com inveja de quem era adolescente ou criança na época que leu essa obra – deve ter sido ainda mais divertido.

9 comentários em “Harry Potter e a Pedra Filosofal (J.K. Rowling)”

  1. Eu tinha meus 18 anos quando por curiosidade peguei o livro: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, se não me engano em Dezembro de 2000. Meu primeiro semestre de faculdade havia acabado de terminar.

    Eu já havia lido outros livros para o colégio e vestibular que me interessaram bastante, mas nunca despertaram uma paixão pela Literatura. Já conhecia até muitas coisa d’O Senhor dos Anéis, mas me interessava mais pelo ‘hype’ em si, do que pela obra (que de certa maneira sempre achei massante de ler, me crucifique).

    E, no final, foram os livros da série Harry Potter que me despertaram esta paixão. E sou totalmente grato por estes momentos que os livros desta série me proporcionaram. Por cause deles, hoje em dia eu devoro livros e livros: um, dois, três por semana quando possível.

    E tudo graças a esta pequena paixão, onde um livro sem grandes estruturas – como comentado em seu post – mas com um enredo altamente contagiante despertou meu olhar para muito além.

    E como você, em algum deixei por muito tempo uma série no gatilho, anos a espera na verdade. As Crônicas Vampirescas de Anne Rice, em menos de uma semana eu já estou em seu terceiro volume, A Rainha dos Condenados. Posso dizer que a forma como ela escreve é inebriante em muitos momentos. Espero que o ritmo se mantenha.

    Att,
    Rapha.

    1. eu lembro que era meio descrente do argumento “pelo menos está fazendo com que as pessoas se interessem pela leitura”, mas eu leio depoimentos como o seu e o da minha sobrinha e vejo que sim, isso deu certo mesmo. a dona rowling deve se orgulhar da geração de leitores que existe hoje em dia por conta dela ^^

    1. eu li =D é bem como disse no final, dá até inveja de quem conseguiu ler os livros na época certa. ainda mais sem os spoilers, ter realmente aquela emoçãozinha em descobrir as coisas aos poucos. eu que nem me interessava já sei quem morre e tudo o mais, argh.

  2. Você mesma sabe, Anica (http://www.anica.com.br/2004/06/06/108656974195360843/ aliás, lembra? HAHAHAHA), que Harry Potter faz parte da minha vida, tipo, de coração <3
    A primeira vez que eu comecei a ler o livro eu odiei e achei super entediante, da segunda vez eu comecei e gostei e não parei mais!
    Digam que é bobo porque é mesmo, digam que é 'livro de criança', mas é (praticamente) impossível você mergulhar naquele mundo mágico cheio de coisas legais, coisas loucas, com personagens que acabam se tornando até SEUS amigos, e não se apaixonar.
    CONFESSO, fiquei triste quando fiz 11 anos e não veio minha carta de Hogwarts, já tentei fazer Wingardium Leviosa (sem sucesso huehuaeuae), já tive inúmeros sonhos com acontecimentos no livro, me emociono quando gente morre (ênfase no Sirius, morri de chorar), e odeio terminar o livro, porque parece que eu estou fechando o mundo da fantasia que eu tanto amo.
    E, realmente, toda vez que eu leio eu vejo de um jeito diferente, encontro algo a mais, é sempre uma experiência nova, e eu amo isso!
    Harry Potter pra mim sempre vai ser minha espécie de refúgio do mundo real, onde eu sou da Sonserina (SOU SONSERINA MESMO E DAÍ) mas torço pra Grifinória ganhar, torço pra Irlanda no Quadribol, tenho meu vira-tempo pra voltar pro momento (leia-se página) que eu quiser voltar, e é tudo mágico e do jeito que eu quero.
    Esse foi meu emocionante depoimento sobre meu amor pela série Harry Potter, HAUEAUEHUI

    1. nuss, se fui ao cinema em 2004 era o Harry Potter E o Prisioneiro de Azkaban. e teve mais o Harry Potter E a Pedra Filosofal que fui com você na pré-estreia, aquele dia foi tão batuta s2

  3. Pois eu não gostava de ler nadica de nada no colégio. Via 100 páginas e me perguntava como ler “aquilo tudo”!
    Até o dia em que eu ouvia falar de um tal de Harry Potter… e eu sempre fui “do contra da moda”. Então eu: “ai que besteira essa….” Aí a Siciliano daqui de Fortaleza (CE) deixava você ler os livros e tal antes de comprar e eu pensei que se todo mundo gostava “disso” que eu devia pelo menos ler uma página pra ver como era. Foi na época que saiu o 4º e eu fazia a sétima série.
    Posso dizer que li o primeiro na Siciliano e comprei em uma promoção os 4 na submarino e que graças a Harry Potter hoje amo ler e “aquilo tudo” que eram 100 páginas hoje não passam de uma tarde.
    E que graças a JK Rowling hoje faço direito (tô terminando) e ler nunca foi tão divertido….até livro de tributário!
    Basta um livro pra despertar a paixão por leitura que hoje tanta gente precisa ter!

  4. Acho que gostei mais do que vc disse sobre o livro do que todas as resenhas que li na vida… Eu sou Pottermaníaca até hj… e bem, tenho 30 rs
    Mas eu o li já velhinha pois comecei mesmo depois dos 20. Mas o que me fez gostar do livro foi exatamente o que vc descreveu.
    Ele é simples, não devemos esperar muito… mas é divertido… é gostoso imaginar o que vem depois de vc terminar aquela etapa.

    Um tanto previsível em muitas coisas, obviamente, mas ele é estranhamente encantador quando não esperamos nada e nos deixamos levar… Me apaixonei assim… li por ler e não consegui mais.

    Vi todos os filmes, e os tenho inclusive, mas eles nem de perto tem a delicia mágica que o livro me trouxe… Enfim, teu texto me deu vontade de ler o primeiro livro de novo…

    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *