Os heróis e a morte na Ilíada

Observação: A Ilíada está entre os livros que mais me traumatizaram em uma primeira leitura. Eu nunca me senti tão burra na minha vida quanto no momento em que comcei a ler os versos “Canta-me a cólera – ó deusa! – funesta de Aquiles Pelida,/causa que foi de os Aquivos sofrerem trabalhos sem conta/e de baixarem ao Hades as almas de heróis numerosos”.
Ler a tradução em versos é um verdadeiro exercício, mais além: um desafio. Por volta do Canto III ou IV a pessoa já se acostuma com a linguagem e aí segue mais tranqüilo. Mas o começo é pesado *mesmo*.
Eu sempre sugiro a tradução do Carlos Alberto Nunes, que saiu pela Ediouro. O trabalho de tradução dele é excelente, sem cair nos “Auroras rosidáctilas” do Odorico Mendes.
Com relação a história, gosto muito mais da Odisséia do que da Ilíada. Porém, é com a Ilíada que temos as várias cores da cultura grega. É realmente um espelho do comportamento, credos e conceitos da época. É a partir disso que tracei esse paralelo entre os conceitos de Morte e de Heroísmo na Ilíada.

Continue lendo “Os heróis e a morte na Ilíada”

O Eterno Despertar

Eu já comentei por aqui do lance das vezes que eu durmo tão pouco que acho que nem acordei, não? Pois é. Isso me lembra muito o primeiro arco de histórias de Sandman escrito pelo Neil Gaiman, o Prelúdios e Noturnos.

Resumindo para quem não conhece: Um mago aprisiona Morpheus por engano, uma vez que tentava aprisionar a Morte. Sonho fica preso durante anos, tempo suficiente para que esse mago morresse e o filho do mesmo continuasse mantendo Sandman preso. Eis que o Lorde Moldador consegue escapar e qual providência ele toma tão logo se recuperou? Vingança.

Continue lendo “O Eterno Despertar”

O Retrato de Dorian Gray

(Aquela citação sobre A Insustentável Leveza do Ser me deu idéia para isso…)

SÉRIE: LIVROS DA MINHA VIDINHA

Livro: “O Retrato de Dorian Gray”
Autor: Oscar Wilde
Se gostar, leia também: “O Marido Ideal”

Único romance de Oscar Wilde, já reconhecido como clássico, O Retrato de Dorian Gray desde o início revela a marca fundamental do autor: seu sarcasmo. Esse tom é fácil de ser percebido em suas diversas frases paradoxais, outras de humor cáustico, em sua grande maioria proferidas pelo personagem Lorde Henry Wotton.

Continue lendo “O Retrato de Dorian Gray”

O Retrato de Dorian Gray

(Aquela citação sobre A Insustentável Leveza do Ser me deu idéia para isso…)

SÉRIE: LIVROS DA MINHA VIDINHA

Livro: “O Retrato de Dorian Gray”
Autor: Oscar Wilde
Se gostar, leia também: “O Marido Ideal”

Único romance de Oscar Wilde, já reconhecido como clássico, O Retrato de Dorian Gray desde o início revela a marca fundamental do autor: seu sarcasmo. Esse tom é fácil de ser percebido em suas diversas frases paradoxais, outras de humor cáustico, em sua grande maioria proferidas pelo personagem Lorde Henry Wotton.

Continue lendo “O Retrato de Dorian Gray”

Anica por Gregório de Matos

Estou me divertindo com umas poesias do Gregório de Matos que eu encontrei. Olha só:

Não te posso ver, Anica,
por mais que Amor me desperte,
que tu és muito tirana,
e serás ingrata sempre.
Se foras compadecida,
não cessara de querer-te,
pois a beleza humanada
Continue lendo “Anica por Gregório de Matos”

Os Argonautas

Como eu tinha prometido, vou explicar a relação entre Os Argonautas do Caetano Veloso e o Mensagem, do Fernando Pessoa. Para começar, aí vai a letra da música do Caetano:

Os Argonautas

o barco, meu coração não aguenta
tanta tormenta
alegria, meu coração não contenta
o dia, o marco, meu coração
o porto, não
navegar é preciso
viver não é preciso
o barco, noite no teu tão bonito
sorriso solto perdido
horizonte, madrugada
o riso, o arco, da madrugada
o porto, nada
navegar é preciso
viver não é preciso
o barco, o automóvel brilhante
o trilho solto, o barulho
do meu dente em tua veia
o sangue, o charco, barulho lento
o porto silêncio

Continue lendo “Os Argonautas”

Por um Casamento (Rubem Alves)

O meu fascínio por ritos me faz suspeitar que, numa outra vida, é possível que eu tenha sido um sacerdote ou um feiticeiro. Hoje, pouca gente sabe o que são. Um rito acontece quando um poema, achando que as palavras não bastam, se encarna em gestos, em comida e bebida, em cores e perfumes, em música e dança. O rito é um poema transformado em festa!

Escrevo hoje para os que casam, por medo de que, fascinados por um rito, se esqueçam do outro… Porque, caso não saibam, é desse outro rito, esquecido, que o casamento depende.

Continue lendo “Por um Casamento (Rubem Alves)”

Bluebird

there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I’m too tough for him,
I say, stay in there, I’m not going
to let anybody see
you.
there’s a bluebird in my heart that
wants to get out
but I pur whiskey on him and inhale
cigarette smoke
and the whores and the bartenders
and the grocery clerks
never know that
he’s
in there.

Continue lendo “Bluebird”