Livro de papel x livro digital

tumblr_mr6kf4j54K1qdlh1io1_400
Telas! Eu odeio telas!

Então, há tempos que estou matutando sobre isso, mas pensava que seria dizer o óbvio, então largava o rascunho na lixeira. Até que hoje cedo li esta matéria na Folha: Espírito crítico empobrecerá sem o livro de papel, diz Vargas Llosa. Afirma Llosa que “O espírito crítico, que sempre foi algo que resultou das ideias contidas nos livros de papel, poderá se empobrecer extraordinariamente se as telas acabarem por enterrar os livros“. Vamos partir do princípio que o texto é bem vago e não fala especificamente de e-readers e tablets mas de “telas”, mas uma vez que ele insiste bastante no termo “livro de papel”, acredito que esteja sim se referindo às novas formas de ler um livro ou seja, a boa e velha discussão sobre livros de papel e livro digital.

Llosa continua: “Estou convencido de que a literatura que se escreverá exclusivamente para as telas será uma literatura muito mais superficial, de puro entretenimento e conformista“. Eu não sei sobre você, mas eu fiquei com a nítida impressão de que ele não faz a menor ideia do que está falando (pelo menos no caso da tecnologia). Sabe, parece que é daqueles que ainda acham que há um ser contra ou a favor dos livros digitais, como quem veste camisa com um kindle estampado para num jogo qualquer decidir qual será o meio utilizado pelas pessoas para ler. Não, não é por aí. Já começa que não acredito que livros digitais substituirão livros de papel, eles trabalham de forma complementar. Talvez os “profetas” que anunciam o fim do livro de papel tenham em mente a chegada do dvd substituindo as fitas de video cassete, não sei. Se for esse o caso, acho que vale lembrar que não há um “aparelho” para decodificar o livro que não seja o próprio leitor, então onde existir alguém que saiba ler, o livro de papel terá sua função. Outra coisa é que houve uma real melhora na qualidade da imagem e de som do vhs para o dvd, mas no caso do livro de papel para o e-reader, bem, o que importa é o que está escrito, e não como você lê.

Continue lendo “Livro de papel x livro digital”

Escolhas, escolhas…

canecaSe me perguntarem do que sinto falta sobre ter parceria com uma editora, eu diria: de não precisar ter critérios para escolher o que leria. Os livros já chegavam até mim com uma pré-filtragem (normalmente os lançamentos ou livros que as editoras queriam divulgar) e, como eu tinha o compromisso de resenhá-los, tinha que ler todos até o fim – mesmo achando o começo sem graça. Eu sei que muita gente pode ver isso como algo negativo (já li muita reclamação de pessoas sobre “todo mundo sempre falar dos mesmos livros”, por exemplo), mas para mim, como leitora, era uma benção. Porque eu tenho um sério problema na hora de escolher o que ler.

Fico tão ansiosa com essa ideia de que não poderei ler tudo o que foi publicado que acabo encontrando dificuldades na hora da escolha. Quem vem primeiro na fila dos ‘n’ livros para ler? Aquele livro recomendadíssimo por um amigo com gosto similar ao seu? O outro que tem sido elogiadíssimo em várias resenhas? O novo do seu autor favorito? Qual o critério para quem não tem qualquer obrigação com a leitura? Pois é. Eu não tenho. Ou às vezes até tenho, mas são bizarríssimos ou completamente contraditórios, do tipo “Leia antes que chegue o filme” (como fiz com O lado bom da vida) e “Leia porque você gostou do filme” (como fiz com As aventuras de Pi). No final é tão aleatório que não dá para dizer que há um critério (ou um método nessa loucura, como dizia o tio Will).

O problema disso tudo é que na ansiedade, você acaba largando livros mais rápido do que normalmente abandonaria. Ou ainda, quando você não tem critério fica muito fácil começar a tender para um só tipo de leitura. Porque a gente se acomoda. Gosta de um autor em específico e aí quer ler tudo dele (oi, Gillian Flynn!), fica confortável com um determinado tipo de livro e aí basicamente só troca de autor (ou título), mas o enredo continua sempre o mesmo. E mesmo assim, a tal da ansiedade de não poder ler tudo continua, dando espaço para um sentimento que faz com que eu lembre muito de uma cena em especial do filme Quase Famosos: Continue lendo “Escolhas, escolhas…”

Tempo para ler

avid-reader-clock1O texto a seguir foi publicado originalmente no Meia Palavra em 30 de novembro de 2011. Eu já tinha planejado colocá-lo aqui tem algum tempo, mas sempre acabava adiando a publicação, até que hoje cedo dei de cara com uma citação no tumblr e pensei: “uou, isso basicamente resume tudo o que eu quis falar naquele texto, mas de um jeito mais bonito”. Então vou colocar a citação seguida do texto, iepiiii.

“By making time to read, like making time to love, we expand our time for living. If we had to think of love in terms of our busy schedule, who’d risk it? Who’s got time to fall in love? But have you ever seen someone in love not finding time for it? I’ve never had time to read, but nothing’s ever stopped me from finishing a novel I loved. Reading isn’t about managing your social life better; it’s a way of being, like being in love.”

The Rights of the Reader by Daniel Pennac

É inevitável: pessoa aleatória começa a fazer parte da minha rotina, repara nos livros que leio e logo comenta: “Nossa, mas quantos livros você lê por semana? Está sempre mudando!” . Eu fico meio sem jeito de dizer que são em média dois por semana, ainda mais considerando que tem alguns anos 2 era a média de leitura anual do brasileiro. Aquela coisa, fica parecendo que estou querendo me exibir. Aí o que eu invariavelmente escuto é algum elogio ao meu hábito de leitura (obrigada) normalmente seguida pela famosa frase “Puxa, queria ter tempo para ler.” Continue lendo “Tempo para ler”

O Clube de Leitura de Jane Austen

jane_austen_book_club1jpgEntão que aproveitei que Fábio estava jogando rpg para assistir mais um chick flick. Porque sabe como é, dentro de mim mora uma mulézinha que adora filmes fofos com uma moral no final da história. A de O clube de leitura de Jane Austen (lançado direto em DVD no ano passado aqui no Brasil) não é muito diferente de algo que Jim Morrison já cantava lá em Riders on the Storm: Girl ya gotta love your man. Ok, ok… com mais firulinhas do tipo “Não tente mudá-lo”, “Não tente controlá-lo”, “Perdoe a traição”, etc. Eu confesso que fiquei surpresa ao ver que o filme foi dirigido por uma mulher, sério.  Mas ei, calma, calma! Tirando isso de lado (e ok, para alguns de vocês o fato de ser chick flick), O clube de leitura de Jane Austen é legal.

O que fez com que eu o escolhesse esse título entre outras tantas comédias românticas disponíveis foi o fato de que muitos dos usuários lá do Meia Palavra chegaram procurando por um Clube de Leitura após assistir a esse filme. E eu pensei com meus botões que a história deveria ser no mínimo interessante para convencer o pessoal a procurar pelo Google por um clube para debater livros. E pelo menos a parte da discussão dos livros é.

Continue lendo “O Clube de Leitura de Jane Austen”

Agora vamos ao intervalo comercial:

valinoribest.jpgJá se cadastrou no Meia Palavra? Ainda não?!! Pois deveria :uhu: Estamos chegando na marca de 100 usuários e ainda nem completamos dois meses no ar. E o que é mais batuta: já começamos o Clube de Leitura Meia Palavra! No momento estamos ainda fazendo sugestões de títulos a serem lidos e depois discutidos no fórum, como Esaú e Jacó (Machado de Assis), Perto do Coração Selvagem (Clarice Lispector), O Médico e o Monstro (Robert Louis Stevenson), Por quem os Sinos Dobram (Hemingway), O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde), A Luneta Mágica (Joaquim Manuel de Macedo), A Casa dos Budas Ditosos (João Ubaldo Ribeiro), Hamlet (Shakespeare) e O Processo (Kafka). Não deixem de se cadastrar e participar!

Além do Clube de Leitura do Meia Palavra, outra coisa bacana que eu queria divulgar é que a Valinor está concorrendo ao prêmio iBest na categoria Arte e Cultura. Para quem não sabe, a Valinor já ficou entre os top10 nos anos de 2002 e 2003. E como ela anda mais caprichada do que nunca, não custa dar uma passadinha no site do iBest para votar, right, right, right?

(Amanhã eu falo sobre 3:10 to Yuma)

Perca um livro

book_black.gifÉééé, isso mesmo, perca um livro. Aliás, perca um BOM livro. A idéia não é exatamente novidade (começou lá por 2001 com o BookCrossing) mas resolvi embarcar nessa depois que vi um post divulgando o site lá no Meia Palavra ((não se cadastrou ainda? Corre lá fazer seu registro para participar!)). Funcionando como um tipo de incentivo à leitura, para participar do Perca um Livro basta seguir estes passos:

1. Leia um bom livro;
2. Cadastre o livro e escreva seus comentários para pegar seu código único e a etiqueta correspondente ao livro;
3.”Perca” o livro em um lugar público.

Continue lendo “Perca um livro”