Um livro por ano (ou: Alguns livros que fizeram da Anica a Anica)

My heart’s made of parts of all that surround me
And that’s why the devil just can’t get around me

Maio do ano passado meu irmão fez aniversário e preparou uma lista no Spotify com músicas para cada ano em que ele esteve vivo. Achei a ideia ótima, até porque muitas vezes a história da nossa vida se confunde com a história da formação dos nossos gostos. E aí eu resolvi roubar a ideia na cara dura, mas com uma “pequena mudança”: será sobre livros.

Algumas explicações: obviamente, estou considerando o ano de publicação original e não o ano em que li o livro. Tentei equilibrar um tico o fator nostalgia para que a lista não seja só uma egotrip mas também uma lista de sugestão de leituras? Hmmm, o que mais? Ah, sim. Títulos em português quando tem tradução no Brasil, em inglês para livros ainda sem tradução. Se tiver link no título é porque eu falei do livro aqui no blog. Finalmente: única regra foi “não pode repetir o autor, menos quando é o Gaiman porque o Gaiman é o Gaiman”.

E olha, estou com o post nos rascunhos desde 21 de maio de 2017. Não é fácil elaborar uma lista desse tipo, e a verdade é que está quase chegando o segundo 18 de janeiro desde que comecei a escrever o post, o que colocou o ponto final no que eu não parava de editar. Talvez em um 18 de janeiro da próxima década eu volte com uma lista assim? Quando a gente chega aos 38 falar em década já é otimismo demais?

1981 The Elementals (Michael McDowell) ((reza a lenda que nasci em um domingo às 20h, então na minha cabeça eu meio que vim ao mundo fazendo a Isadora Ribeiro uuuuhh ooooo oooo é fan-tás-ti-co. se você não entendeu a referência é porque provavelmente chegou ao mundo na segunda década desta lista))

1982 Mrs. Caliban (Rachel Ingalls)

1983 O amor é fogo (Nora Ephron)

1984 A Insustentável Leveza do Ser (Milan Kundera) 

1985 O Conto da Aia (Margaret Atwood)

1986 Eu Sei Que Vou Te Amar (Arnaldo Jabor) ((aqui tenho que ser bem específica, tem que ser edição anterior a de 2007 que tem um monte de alteração que eu não gostei))

1987 Watchmen (Alan Moore)

1988 Hellblazer: Pecados Originais (Jamie Delano)

1989 Sandman (Neil Gaiman)

1990 Belas Maldições (Gaiman e Pratchett)

1991 O Evangelho Segundo Jesus Cristo (José Saramago) 

1992 A História Secreta (Donna Tartt)

1993 As Virgens Suicidas (Jeffrey Eugenides) 

1994 A gangue do pensamento (Tibor Fischer) 

1995 Alta Fidelidade (Nick Hornby)

1996 O Clube da Luta (Chuck Palahniuk)

1997 Vozes de Tchernóbil (Svetlana Alexievch) 

1998 As Horas (Michael Cunningham)

1999 Desonra (J. M. Coetzee)

2000 House of Leaves (Mark Z. Danielewski)

2001 Como me tornei estúpido (Martin Page)

2002 Dias de Abandono (Elena Ferrante)

2003 Budapeste (Chico Buarque)

2004 Deixa ela entrar (John Ajvide Lindqvist)

2005 A história do amor (Nicole Krauss)

2006 A Estrada (Cormac McCarthy)

2007 Love is a Mix Tape (Rob Sheffield)

2008 O Museu da Inocência (Orhan Pamuk)

2009 Lugares Escuros (Gillian Flynn)

2010 Só Garotos (Patti Smith)

2011 O Sentido do Fim (Julian Barnes)

2012 Serena (Ian McEwan)

2013 Eleanor & Park (Rainbow Rowell)

2014 As quinze primeiras vidas de Harry August (Claire North)

2015 Uma vida pequena (Hanya Yanagihara)

2016 A arte de desaparecer (Idra Novey)

2017 Lincoln no Limbo (George Saunders)

2018 Circe (Madeline Miller)

2 comentários em “Um livro por ano (ou: Alguns livros que fizeram da Anica a Anica)”

  1. Só é depois de amanhã, mas feliz aniversário! Enfim, achei essa ideia da lista genial 😀 Só li quatro dos livros citados, mas tem outros ali que eu tenho interesse em ler.

    P.S.: não comentei isso antes, mas fico feliz que o blog tenha voltado dos mortos hahaha

    1. Obrigada <3 <3 <3

      Sobre o bró, ele ainda está no modo zumbi, mas estou me animando e acho que se eu vencer o começo das aulas ele volta completamente dos mortos \o/

Deixe uma resposta para anica Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *