Six Feet Under

Bom, quase terminei de assistir todos os episódios do primeiro ano da série “Six Feet Under”, uma das mais gratas surpresas no que diz respeito à Televisão nesses últimos meses. Cortesia do Orc e da Ná, que deixaram a caixa da última vez que vieram para Curitiba, hehe.

Então, o que faz da série algo tão cool? Afinal, a história gira em torno da família Fisher tocando os negócios na agência funerária Fisher and Sons após a morte do patriarca. Simples, não? Mas aí é que está: o charme de “Six Feet Under” está em como a história é conduzida e, principalmente, na força e carisma das personagens.

Vale lembrar que é uma série que fala sobre morte (óbvio), o que gera um sem número de piadas de humor negro. E convenhamos, esse campo é um pouco perigoso uma vez que sair da piada engraçada para a de mau gosto é facílimo. Entretanto, há um cuidado tamanho na composição do roteiro, e um equilíbrio muito bom entre o drama e a comédia.

Dentro desse cuidado com o roteiro, há a criação e desenvolvimento das personagens. É impressionante, mas fica visível a preocupação com o desenvolvimento não só das personagens principais (a família Fisher), mas com todos ao redor. E são personagens fortes, não só pelo óbvio (um dos filhos, por exemplo, é gay), mas porque têm desejos, conflitos e medos de pessoas comuns. No final, acaba ficando difícil não simpatizar com cada um deles e, bem, “querer saber o que vai acontecer no episódio seguinte”.

Realmente, uma jóia no meio de tantos enlatados idiotas que estão saindo por aí. Sinceramente, acho que não me divirto com algo feito para a tv desde Arrested Development. Ah, e antes que eu me esqueça: Página oficial de Six Feet Under. Tomem cuidado, é coisa do demo. Tem tanta informação que fiquei sabendo até quais personagens vão morrer nos outros anos que ainda não assisti, aff.

Um comentário em “Six Feet Under”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *