O Apanhador no Campo de Centeio

Dia desses eu comentei sobre como achava idiota assistir a certos filmes só porque diversas pessoas o consideram um “must”, mas o fato é que eu não consigo aplicar a regra aos livros. Não mesmo. Alguns deles são comentados por tantas pessoas diferentes, e com tanta freqüência que eu simplesmente não consigo deixar para lá e não ler.

Aí que eu estava encucada com “O Apanhador no Campo de Centeio” do J. D. Salinger, com indicadores que variam desde Renato Russo até amigos que fiz pela Internet. Então uma aluna minha emprestou o livro para mim (ela também emprestou O Caçador de Pipas, então deixo aqui meu abraço para a Nádia), e agora eu finalmente pude conferir. E antecipo desde já: é um dos mais bacanas que já li.

Comecei com aquele preconceito do “é livro para adolescente”, “já passei da fase” e aos poucos o Holden (narrador-personagem) foi me encantando de tal forma que apesar do livro não ter absolutamente nada demais, eu adorei. E por nada demais eu digo nada demais MESMO. Holden é expulso da escola e decide voltar para casa alguns dias antes, e basicamente descreve os encontros com pessoas em Nova York, de estranhos à conhecidos.

Talvez o que mais tenha me encantado no Holden é a observação que ele faz de cada uma dessas pessoas. Ele vai desenhando cada personagem através de pequenos eventos em suas vidas, como o caso da Jane, que nunca mexia nas damas quando jogava com ele, ou o irmão Allie, com a luva de baseball cheia de poesias. E a fala dele é tão cheia de marcas de oralidade que parece que é um amigo, na mesa do bar contando alguma aventura pela qual passou.

Quanto a ser um livro juvenil, acho que de certa forma descreve bem um momento pelo qual todos passamos (aquela fase em que estamos definitivamente plantando o que colheremos quando “adultos”), e isso fica bem claro no encontro do Holden com o professor Antolini. Mas até por ser algo que você só reconhece quando já passou por isso, acredito que O Apanhador no Campo de Centeio não seja só para adolescentes.

É realmente um livro muito bom. Melhor ainda é quando, ao ler as últimas frases do Holden,

A gente nunca devia contar nada a ninguém. Mal acaba de contar, a gente começa a sentir saudade de todo mundo.

você se dá conta que não é só quem conta a história que sente saudades, mas o leitor também.

12 comentários em “O Apanhador no Campo de Centeio”

  1. Obrigado Senhor!
    Um dos meus livros favoritos de muitos tempos, ele me ajudou muito em uma época, sou grato mesmo.

    Se não estiver no meu Top 10 de melhores livros, vai ser um do coração para sempre, no duro.

  2. Nunca li. Mas essa semana finalmente achei a solução pra acabar com minha péssima falta de leitura dos últimos tempos. Abandonei o MP4 e passei a ler no ônibus indo e vindo do trabalho. Não é muito, mas já tô adiantando uns livros que eu vinha enrolando há tempos.

  3. É um dos livros que estão na minha estante, esperando por um pouco de atenção. Confesso que só o tenho porque, sendo um livro tão comentado, parecia errado excluí-lo da minha biblioteca. Depois desse post talvez eu até pare um pouco com a minha implicância… mas tenho outras prioridades na minha lista de leituras. 🙂

  4. putzzzzzz!!

    “A gente nunca devia contar nada a ninguém. Mal acaba de contar, a gente começa a sentir saudade de todo mundo.”

    total isso!!

  5. Este livro tem bastante vida,sentimento e sinceridade pois te mostra uma história real,por isso te prende até o fim pois muitos adolescentes se identificam com a com o personagem.
    É um livro avançado para sua época.Ele mostra o que se passa na mente de um adolescente e como ele pode estar confuso se sentindo sozinho mostra que a adolescência é muitas vezes a hora em que mais necessitamos do apoio de nossos amigos e de nossa família principalmente.

    O objetivo do autor é nos fazer pensar sobre o comportamento humano, e sobre o caráter de cada personagens mostrar que a adolescência não é só uma fase de criança para adulto e sim a fase da formação do caráter de uma pessoa. 😛 :gira: 😆

  6. Eis um livro digno de se ler novamente… Não sei ao certo o que mais me chamou a atenção, se foi a forma simples e adorável do autor colocar a idéia, se foi a personagem em si, se foi o simples fato de eu me identificar com a personagem em certas partes e lembrar de uma certa pessoa com as idéias extremamente parecidas com as do Holden….
    Leria mais uma vez, mais uma, e mais uma… posso dizer que é o meu livro favorito. Muitos não conseguem enxergar a essência das palavras simples e mal arquitetadas, mas cativantes! :-]

  7. Eu simplesmente amo esse livro. Chorei muito no fim, principalmente porque já sentia saudades e, com toda certeza, foi o melhor livro que eu já li até agora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.