Memórias do Subsolo (Fiódor Dostoiévski)

Sempre lembro de um momento em O Tempo e o Vento de Érico Verissimo no qual uma personagem dizia que O Capital de Marx era o livro mais citado e menos lido de todos os tempos. Se fôssemos esticar o raciocínio para um autor, tenho certeza que o campeão seria o russo Fiódor Dostoiévski. Por alguma razão que me escapa ele ganhou fama de “leitura difícil”, e por consequência quem o lê seria automaticamente uma pessoa inteligente. Portanto o autor consta em diversas listas de livros favoritos, muitas vezes mais como uma espécie de troféu “ah, eu venci essa leitura!” do que como uma indicação de prazer. O nome na lista não significa necessariamente que o autor foi lido, pelo menos não no sentido de imersão na obra.

Bobagem sem tamanho, tanto o medo da leitura (classificando um autor como difícil sem conhecê-lo) assim como usar leituras como troféu. De que adianta dizer que leu Dostoiévski se nada foi absorvido? E claro, isso vale para qualquer autor. Então, antes de descermos ao subsolo, vamos combinar isso: o importante é ler o que você gosta. Leia Dostoiévski sim, mas porque você deseja, e não porque vai parecer mais inteligente para outras pessoas.Até porque tomando Memórias do Subsolo, o estilo de narrativa do autor russo é até bastante simples. A começar, trata-se de uma novela, um texto mais curto que um romance (e portanto com menos espaço para complexidades). Mas o livro está muito bem estruturado, dividido em duas partes e montado em três momentos básicos com os quais é impossível o leitor se perder: o discurso de abertura, o encontro com os amigos e Liza. Talvez o momento inicial, com a verborragia do homem do subsolo precise de um pouco mais de fôlego do leitor (inclusive a sensação que tenho é que essa parte deveria ser lida de uma vez só, sem pausas), mas quando partimos para as lembranças do narrador do encontro com os amigos e de Liza, temos um discurso bem normal, fácil de acompanhar.

Eu insisto nesse ponto porque eu não acredito que a dificuldade em Dostoiévski more no modo como ele escreve, mas do que ele fala. Tomando o protagonista-narrador, o homem do subsolo é cheio de mesquinhez, pequenezas. Sentimentos e pensamentos que já vivenciamos em algum momento, porque somos humanos, imperfeitos, anti-heróis ambulantes. Mas dói reconhecer semelhanças em uma personagem como o narrador. Queremos nos ver em atos brilhantes, no melhor de uma personagem, e não no que ela tem de mais pequeno e perverso.

O comportamento do narrador no encontro com os amigos é onde isso fica mais evidente, especialmente em relação a Zvierkóv. Ele crê-se superior ao conhecido, mais inteligente. Mas ao mesmo tempo falha em um aspecto que esse amigo “inferior” parece se dar muito bem, viver em sociedade. Com Liza, quando essa o visita em casa, novamente temos o choque do superior/inferior – com o narrador humilhando a moça porque ela sente pena dele.

O “subsolo” constantemente citado pelo narrador fez com que eu lembrasse de Gaston Bachelard em Poética do Espaço: é uma representação da alma. O homem que se fechou tanto dentro de si que desconhece a maneira de agir (e mesmo a necessidade de fazê-lo) em sociedade. É um mergulho, rápido mas denso, ao que temos de negro dentro de nós mesmos.

Por isso insisto novamente no convite inicial: deixe de lado a ideia da leitura a ser vencida e usada como troféu. Leia Memórias do Subsolo pelo prazer de reconhecer como um autor conseguiu fazer essa jornada até o fundo do ser humano, sem medo de retratá-lo com suas imperfeições, pensamentos e sentimentos mais obscuros.

Em tempo: não sei russo, portanto não posso avaliar a tradução desta edição da Editora 34 sob esse aspecto. Mas o texto de Boris Schnaiderman flui muito bem, sem momentos de estranheza, e vem repleto de notas bastante elucidativas sobre o contexto social.  A tradução foi originalmente publicada pela José Olympio na década de 60, sendo relançada pela Editora 34 no ano 2000. Um resgate importante de um texto fundamental na biografia de Dostoiévski.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.