Coisas Frágeis Vol.1 (Neil Gaiman)

Eu não sei exatamente qual era a intenção da Conrad ao partir Fragile Things de Neil Gaiman em dois. A impressão que fica após a leitura do primeiro volume é que a seleção dos contos e poemas presentes na coletânea do escritor inglês funcionariam muito melhor se viessem como no original.  Isso porque o primeiro volume ficou só com os contos (e uma novela), e alguns deles já apareceram em outras coletâneas de Gaiman, e também porque não respeita a ordem de apresentação da publicação original.

E Gaiman é cuidadoso, e a verdade é que há um ritmo que é criado a partir da ordem dos textos. Os temas também não se repetem, e assim a leitura fica menos cansativa. Resumindo: ainda acho que Coisas Frágeis deveria vir em um volume só, mas isso não significa que não seja bom. Alguns dos melhores trabalhos de Gaiman estão ali.Como em A Vez de Outubro, no qual Gaiman faz aquela personificação de conceitos que já mostrou lidar tão bem em Sandman. Aqui são os meses, contando histórias ao redor de uma lareira. A apresentação dos meses ficou excelente, e é ótimo ler referências aos grandes da literatura como quando alguém diz para Abril que ele continua sendo o mais cruel dos meses (verso que abre The Waste Land de T.S. Eliot). E a “história dentro da história” também é muito interessante, retratando a amizade entre um garoto e um fantasma.

Como Conversar com Garotas em Festas é genial, especialmente porque apresenta nele algo que Gaiman tem de melhor e que infelizmente não explora tanto quanto deveria: o humor. O senso de humor do britânico é extremamente fino, e em algumas vezes até bastante sutil. Mas ele o explora tão bem que não tem nada a dever aos conterrâneos como Douglas Adams e o pessoal do Monty Python. Os Fatos no Caso da Partida da Senhorita Finch também segue essa linha, e é igualmente divertido.

A novela O Monarca do Vale traz Shadow, personagem do romance Deuses Americanos. Para quem estava com saudades, vale a pena a leitura, mas acho que se faz muito tempo que você leu o livro talvez demore para lembrar de algumas características da personagem, mas não acho que seja necessário conhecer a trama do romance para seguir a novela, a única coisa que ela tem um gostinho especial para quem já leu.

Assim, é possível dizer que Coisas Frágeis vol.1 é uma coletânea boa. Gaiman está ali, no que sempre faz: lidar com o inesperado, o absurdo, o suspense e o humor como poucos. A única coisa é que fica um gostinho de decepção pensar que poderia ser muito melhor se viesse completa, e não dividida em dois volumes. Se quiser dar uma conferida em todos os títulos do volume original, é só clicar aqui (em inglês).

4 comentários em “Coisas Frágeis Vol.1 (Neil Gaiman)”

  1. Estou tentando achar ‘Deuses Americanos’ e pelo visto saiu de catalogo. Os que encontro em sebo estão caríssimos!

    E estou lendo o volume 2 e estou achando essa seleção bem mais fraquinha.

    1. é, os melhores ficaram no primeiro. de repente a conrad nem tinha lá muitos planos de lançar o volume 2 (é só reparar que nem vem escrito um ‘volume 1’ na capa) e aí queimou os melhores já no primeiro livro.

      (acho que deuses americanos esgotou sim. vc lê em inglês? os paperbacks na amazon ficam super em conta, vale a pena. e tenho certeza que tem deuses americanos lá fora)

  2. Leio tudo que posso alcançar do Neil Gaiman. Gosto muito dos romances (de Deuses Americanos a Coraline), mas acho que nos contos o autor se supera. O Monarca do Vale é um dos mais preciosos e eu poderia ler aventuras de Shadow encontrando todas as divindades do mundo por toda vida. E The Problem of Susan também é uma idéia genial. Escrever para “resolver” decepções literárias é irresistível. Acho que nunca vou ler As Crônicas de Nárnia, por “culpa” do Gaiman. Mas não sabia que a Conrad tinha dividido Coisas Frágeis em duas partes. E demorou a lançar a segunda, que descobri totalmente por acaso. Vai entender essas editoras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *