A visita cruel do tempo (Jennifer Egan)

Capa_AvisitaCruelDoTempo

Há alguns anos em Hollywood existia um tipo de “febre” entre os lançamentos, que era a criação de filmes que mostravam recortes das vidas de diversos personagens que acabariam se cruzando em determinado momento, em uma tentativa de passar para a telona a grande teia de aranha que criamos vivendo em sociedade. 21 Gramas e Crash são só dois exemplos de outros tantos que se sustentavam nessa premissa, que hoje em dia já nem é vista com aqueles ares de novidade.

Na literatura, porém, são poucos os que se arriscam nesse complicado exercício de recriar as relações humanas em seus mais diferentes níveis. E é nisso que se sustenta a força de A visita cruel do tempo, de Jennifer Egan1, vencedora do prêmio Pulitzer de 2011. O romance poderia muito bem ser lido como uma série de contos, mas a ligação entre as personagens alinha a narrativa, que tem como palavra de ordem as relações. Fora isso nada é linear ou, digamos assim, lógico: o tempo avança e retrocede, o foco narrativo muda, há diferentes estilos de textos e por aí vai.

É realmente um trabalho admirável do ponto de vista formal. Não tem como não se encantar pela capacidade de Egan de ousar e acertar – já que trata-se de uma ideia que tinha tudo para ter um resultado catastrófico se mal elaborado. Há um efeito que esse “romance de relação” cria que é extremamente interessante. Tomarei como exemplo os dois primeiros capítulos, embora essa sensação se repetirá nos demais, por motivos óbvios.

No primeiro capítulo, somos apresentados a Sasha, que trabalha para Bennie, um figurão da empresa fonográfica. Sasha é cleptomaníaca, e seu capítulo é uma mistura de momentos de sua vida e conversas dela com seu psiquiatra, Coz. A narrativa fala brevemente de Bennie, sendo que a informação que mais chama a atenção sobre a personagem é o fato de ele salpicar flocos de ouro em seu café. Nisso, vemos a agonia de Sasha, a vontade de querer melhorar, deixar de roubar coisas, num desfecho até bem comovente.

Seguimos então para o segundo capítulo. É como se voltássemos para o ponto zero, um novo livro. O foco agora é Bennie, que passamos a conhecer melhor. Mas olha a graça do modo como Egan escreve: chega uma hora que some um objeto de Bennie, e Sasha o encontra. Bennie pensa em como parece que ela está sempre se antecipando, como encontra rápido as coisas dele e como ele depende dela. Quem leu o capítulo anterior sabe a explicação para a “eficiência” de Sasha sem que a autora precise falar uma só palavra sobre isso. Para ter uma ideia do que ela acaba criando com A visita cruel do tempo, dê uma olhada neste “mapa de personagens” feito por um fã do livro.

E esse efeito se prolonga em todas as outras páginas do livro, personagens que são citadas brevemente ganham então o foco, e vão agregando consigo a história de outras personagens, como que em uma tentativa de dizer que não somos nossa história, mas a de todo mundo que vive ao nosso redor. E nesse sentido o livro de Egan é impecável, e merece toda a atenção que está ganhando. É excelente de quando em quando ler uma obra de um autor que queira ousar na forma, na estrutura, ir além de apresentar um enredo legal.

O problema, na minha opinião, é que o brilho de personagens como os já citados Sasha e Bennie, ou ainda Lou e Scotty, não está em todas as personagens, e alguns capítulos acabam sendo desinteressantes. Há ali aquele efeito bacana de ver algo com outros olhos, mas em alguns momentos as personagens não despertam a curiosidade, você meio que lê para não perder o elo com as outras que virão. Talvez seja só impressão e em uma segunda leitura eu mude de ideia, mesmo porque até se acostumar com as mudanças de foco narrativo, alguns capítulos causam certa estranheza.

Mas é evidente que mesmo em momentos mais cansativos, ainda vale a pena a leitura, já que Egan acaba entregando capítulos fantásticos como o nono, daqueles que te fazem querer um dia ser escritor só para poder fazer algo parecido: uma ideia simples, porém genial. Somando a isso a ideia principal do enredo, a tradução do título para o português me pareceu bastante apropriada: há sim um protagonista, uma personagem constante em todos os capítulos, e é o tempo.

Todas as personagens de certa forma parecem estar lutando contra, ou ainda se dando conta da natureza do tempo. Esse confronto evidentemente dá um tom bem melancólico para o texto, mas há notas de humor, embora seja sutil. Não espere tiradinhas sarcásticas ao estilo de Nick Hornby, por exemplo, que a sua maneira também tem personagens com conflitos parecidos com os de Egan. O que nos leva a pensar que realmente não é o tempo que é cruel, mas o momento em que nos damos conta da presença dele.

(Post originalmente publicado no Meia Palavra em 14 de fevereiro de 2012)


  1. presença confirmada na FLIP de 2012. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.