A Menina que Brincava com Fogo (Stieg Larsson)

ameninaquebrincavaDando continuidade à leitura da trilogia Millenium, eis que leio o segundo título da série, A Menina que Brincava com Fogo. Dessa vez sem qualquer confusão de títulos e já devidamente apresentada às personagens, tudo levava a crer que seria uma leitura divertida e interessante, tal como o primeiro volume. Não, não foi. Infelizmente, confesso que cheguei até a perder qualquer vontade de ler a conclusão (que ainda não tem tradução no Brasil).

Vamos por partes: o fato é que para quem se apaixonou pela heroína Lisbeth Salander, talvez o livro sem MUITO bom. Sabe como é, às vezes nos encantamos por personagens e quanto mais podemos saber sobre eles, melhor. E aqui todos os detalhes sobre o passado de Salander ficam abertos ao leitor. E talvez aí que esteja um dos pecados do livro, na minha opinião. O que faz (ou fazia) de Salander uma personagem legal não era a quantidade absurda de tatuagens ou o fato de ela ser uma hacker ou algo que o valha. Era o mistério. E sem mistério, ela fica bem sem graça.

Ainda esse fosse o único problema do livro, tudo bem. Mas não é, ele tem outro problema ainda mais sério: embromação. São 600 e tantas páginas que poderiam ter ficado nas 300. Quando trata-se de livros de mistério e ação, sempre insisto na questão da unidade de efeito levantada pelo Poe. E sei que é bastante complicado aplicar essa teoria ao romance, mas o fato é que trata-se de gênero que não pode apresentar muita “gordura” no texto, o leitor tem que estar preso no que está acontecendo do começo ao fim, sem grandes distrações.

Em A Menina que Brincava com Fogo, Larsson leva cerca de 200 páginas só para montar o cenário no qual passará a se desenrolar a história. Após os eventos narrados no primeiro livro, Salander se afasta do repórter Blomkvist, que está trabalhando em um projeto audacioso da Millenium: a denúncia de uma rede de tráfico de mulheres. Quem está por trás da investigação é um jornalista e uma criminologista, que lá pela 200ª página são encontrados mortos, com uma arma cheia de digitais da Salander ao lado.

É aí que começa a pesquisa sobre o passado de Salander, que procurada pelos homicídios permance reclusa, dando poucas dicas à Blomkvist através de mensagens no computador – o que achei um pouco idiota, já que no final das contas ela poderia revelar tudo ao invés de deixar o velho clichezão de alguém aparecer quase na conclusão para contar tudo. No final das contas é aquela coisa, o mistério nem é tão misterioso, não há grandes surpresas e a única coisa que faz você pensar em alguma relação com o livro anterior são as personagens principais.

Acredito que darei um tempo na coleção, até porque ainda não achei edição em inglês do terceiro livro (e obviamente, nem em português, já que o segundo livro foi lançado no dia 14 desse mês). Mas confesso que não é só a questão de a obra ainda não estar disponível, mas também o fato de que esse segundo livro foi bastante decepcionante.

18 comentários em “A Menina que Brincava com Fogo (Stieg Larsson)”

  1. e ae!

    bom, confesso que nunca ouvi falar sobre essa trilogia e acho que o máximo que vou saber sobre ela é o que li nesse seu post. hehehe… pelo oq eu entendi, era uma historia que tinha potencial pra ser realmente boa, mas as decisões do escritor se revelam não muito certas.

    – já falei isso no outro post, mas vou repetir, o novo layout ficou muuuito bom. além de bonito, ficou prático e otimizado, eu diria.

    – como eu sei q vc curte zumbis vou te passar um link de um post que eu fiz no blog… é uma lista dos meus preferidos do gênero: http://nitzombies.wordpress.com/2009/04/19/zumbis-e-zumbis/

  2. Valeu pelo elogio ao visual novo, Shaun =] Eu também achei melhor e mais leve que o anterior (que até que era bacana, mas estava cheio de coisas que me irritavam hehe).

    Sobre o link, assim que chegar aqui em casa hoje à noite dou uma lida, valeu ;D

  3. entendo suas considerações sobre a devastação de Salander no 2o livro da série Millennium. O efeito sobre mim foi o oposto: é como ver Holden de Salinger crescendo sem perder sua alma. Blomkvist está melhor composto, coerente e integro. Peço; não abandone o 3o. livro!

  4. Ainda não terminei a leitura (to na pagina 420), mas estou gostando tanto como o primeiro. Ainda não descobri “o Todo Mal”. O primeiro livro focava o mistério relacionado a outra pessoa onde os protagonistas tentava solucionar, o segundo foca uma trama envolvendo a vida da heroína. Revelando os motivos dela ser do jeito nada convencional mas encantador.

    Vc não encontrou o livro em inglês pq ainda não foi traduzido. O inglês sai final 2009, inicio 2010. A edição brasileira é traduzida do francês que já tem os três títulos traduzidos (italiana tbm ja tem, e espanhol sai em junho). Creio q deve sair em ultimo trimestre, com sorte pode sair em setembro para bienal do livro no Rio.

  5. então é traduzida do francês mesmo, é? eu estava com dúvida sobre isso, pq um amigo disse que o terceiro livro sai em novembro aqui no brasil, achei que se fosse traduzido da edição em inglês o calendário ficaria muito apertado. obrigada pela informação =]

  6. Bem para falar a verdade não sabia que o livro é o segundo de um trilogia….estava procurando livros na internet ….e me interecei pelo livro…..
    porem os relatos e comentarios do livro sempre ne pareciam muito vagos…e seu comentario me ajudou a saber muito mais sobre a historia….porem confesso que fikei muito receosa quando vc disse q a historia tem uma forma lenta…..acabei de ler O ULTIMO TEMPLARIO com 400 e tantas pags, conduzidas de forma lenta q levam a um assunto cliche…e um fim indignante… :angry:
    mas digo q amei o layout e o seu comentario direto e objetivo….

  7. Achei o livro MUITO BOM!!! Até melhor que o 1º.
    Li as mais de 600 pg´s em 13 dias e não conseguia parar de ler. Terminei de ler hoje ás 4h e agora vim para net procurar o 3º. Concordo que ele, em alguns momentos, alongou as explicações, mas em nenhum momento se tornou enfadonho ou cansativo a ponto de “não render a leitura”. Pelo contrário!!!!! RECOMENTO SEM DÚVIDAS!!!!

  8. O fato de o passado da heroína restar destrinchado no segundo volume me fez simpatizar com ela ainda mais.

    Acho que gostei mais do segundo livro do que do primeiro, o que prova, com as diferentes opiniões acima colacionadas, que a coleção millenium é um sucesso.

    E que venha o terceiro volume ainda melhor!

  9. concordo com a cibele…
    os livros são otimos, a menina q brincava com fogo eu li em quatro dias e não vejo a hora de lançarem o terceiro livro.
    recomendo a tds….

  10. Ainda bem que tem gente que concorda comigo. Acabei a leitura do “Menina que Brincava com Fogo” agora! Nossa, amei. Quando li o último parágrafo, virei a folha querendo mais. Zala! E o que era aquele meio irmão Terminator? A Salander é uma heroína. Não vejo a hora de ler a continuação.

  11. Discordo de você! O livro é muito bom! Não deixem de ler por esse post dela. Que é opinião própria. Não acho que o livro poderia ser escrito em 300 paginas, não pelo jeito o autor narra, que é fascinante. É uma leituro gostosa, daquela que não pra parar de ler. Cheio de mistérios. E o fato de o Autor revelar os mistérios do passado da Lisbeth, não faz com que se perca a graça.
    Aguardaremos o 3º

  12. Olá Anica, cheguei no seu blog procurando a sinopse do último livro da trilogia e já adicionei no meus favoritos. Terminei o segundo livro ontem e concordo com você principalmente num ponto: A demora para a história começar, eu inclusive achei que a sinopse colocada na contra capa tirava um pouco da surpresa do livro, afinal, contar em uma sinopse o que só acontece na página 212 não está certo. Também achei que o livro terminou de uma maneira muito direta, sem dar certas explicações que ficamos esperando, acredito que o terceiro livro traga essas informações, mas que ficou estranho, isso ficou. No geral o livro é bom, o sucesso, é claro, inquestionável, mas eu realmente torço para que a terceira parte seja mais interessante.

  13. Concordo que o livro demora um pouco a começar, assim como no primeiro! Gostei muito do final, lá pela página 550 já dava pra notar que diferente do primeiro livro, este não terminaria em apenas um volume, o mais triste é que as consequências ficaram todas para o próximo livro… Novembro ta muito longe ainda! Terei de achar outra coisa para ler!

    Salander um gênio monstruoso, até que nesse livro Blomkvist deu uma evoluída, no primeiro achei ele muito lento!

  14. Discordo VEEMENTEMENTE do comentário. Achei o segundo livro sensacional e o primeiro apens bom. No primeiro achei enfadonha aquela enrolação do período em que o jornalista vive na pequena aldeia, aqules detalhes do inquérito, blablabla. No segundo livro, cada informação terá importância no decorrer da história, mesmo que no momento da leitura pareça informação inútil. No entanto, em termos dos filmes, o primeiro ganha disparado. O segundo filme não faz jus ao livro. Decepcionante o roteiro e a direção do filme.

Deixe uma resposta para Luis Coelho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *