Parando de comprar livros

10 em cada 10 leitores vorazes sustentam um hábito de comprar mais livros do que conseguem ler. Pode seguir qualquer um deles e as reclamações estarão lá: “Metade do mês e já comprei 20 livros!”, “Não aguentei a promoção e comprei mais livros!” e variações do mesmo tema. Tem pouco tempo estava todo mundo por aí compartilhando esta imagem dizendo que praticava tsundoku.

tsundokuO que é legal, supondo que você tenha bastante dinheiro. E o que é unicamente problema seu, supondo que você não tenha. Não vou criticar quem tem orgulho de comprar livros como se não houvesse amanhã (ou limite no cartão), a questão é que agora no começo do ano resolvi parar de tsundokar por uns tempos.

A coisa toda aconteceu assim: alguém lá na Valinor postou um link para uma promoção de desconto progressivo do Submarino. Se você comprasse 5 livros ou mais, ganhava 50% de desconto em toda a compra. E uhuuu, lá fui eu garimpar entre os títulos que faziam parte da promoção. Tinha coisa que ficava na casa dos 10 reais, e aí dava até dó não colocar na cestinha. Quando cheguei em 200 reais, fechei a janela do navegador e fui para o quarto dar uma olhada no que eu já tenho.

Comecei a separar os livros lidos dos não lidos e preparar a minha pilha da vergonha, com obras que já completam anos na prateleira sem que tenha lido (ou lido até o fim, em alguns casos). E foi o que acabou pesando para que eu tomasse a decisão de não comprar livros até terminar de ler todos esses.

Clara papel conferindo a pilha da vergonha
Clara Papel conferindo a pilha da vergonha

Não é fácil, porque volta e meia aparece uma promoção, ou um lançamento imperdível (ficaram sabendo que Leminski sai pela Companhia das Letras mês que vem?). Mas eu tenho sentido que não adianta se apressar e comprar algo se for para deixar parado na estante. Meio que só muda de prateleira sabe? Ao invés de estar esperando na estante da livraria, está aqui em casa. “Um dia eu leio”. Sim, é a ideia. Mas considerando que tenho um House of Leaves completando dois anos agora em fevereiro, dá para perceber como essa noção de “ok, eu tenho o livro” altera um pouco nossas prioridades de leitura.

Aquela obra nova que você estava querendo muito ler chega e fura a fila. Um empréstimo ou um presente de um amigo. Livros de editoras parceiras, para quem tem blogs literários. E os que você comprou vão ficando lá, esperando, esperando…

E por isso a decisão pessoal, que em começo de ano toma ares de resolução. Não comprarei livros até ter lido todos os 39 da pilha da vergonha. Para facilitar as coisas meu plano é:

  • Não clicar em links de promoções de livros

Essa é a parte mais difícil. Muita promoção vem mascarada (o preço sempre foi aquele, mas aí surge como promoção, ou o desconto é de no máximo uns 5 reais), mas tem casos que não tem como perder. Dando exemplo: comprei ano passado o Anna Karienina da Cosac por 29 reais – sendo que agora custa mais de cem. Quando você vê esse tipo de coisa é realmente difícil resistir. Então vou seguir a linha “o que os olhos não veem o coração não sente” e ignorar links de promoção.

  • Lembrar que os lançamentos quase sempre ficam mais baratos depois de deixarem de ser novidade

Vide o caso do novo da Rowling, que chegou aqui por quase 70 reais e agora já sai por 30 e poucos). Ou mesmo um caso que foi comentado lá na Valinor, que o Barba ensopada de sangue saiu mais caro na pré-venda, e logo depois do lançamento já tinha desconto em alguns sites como a Cultura. Ou seja: é legal matar logo a vontade de ler algo, mas nem sempre isso é melhor para o bolso.

  • Voltar com a wishlist para manter um registro do que eu quero ler

Eu sei que wishlist serve principalmente para ninguém errar na hora de dar presente, mas vou usar como um controle pessoal, para ir comprando livros aos poucos quando zerar a pilha da vergonha e assim não criar uma nova pilha da vergonha.

***

E num esquema bibliófilos anônimos, termino dizendo que Oi, meu nome é Ana Paula, e desde novembro de 2012 estou sem comprar livros.

25 comentários em “Parando de comprar livros”

  1. Eu sei que não lerei todos os meus 43 livros da pilha da vergonha este ano. Tem alguns que eu sinceramente não tenho vontade de ler por ora (não porque não vá querer ler o bendito algum dia, mas não estou na fase da vida para aquele livro em particular). E, verdade seja dita, eu baixo muito livro e leio no kindle, o que facilita para ler quando estou fora de casa e atrasa os que estão na estante (oh, socorro!!!).
    Mas tenho tentado me segurar também. Nem tento entrar no seu compradores compulsivos de livros anônimos, porque sei que vou cair em tentação, mas farei o meu melhor.
    (se bem que comecei o ano lendo um dos livros do kindle…e o outro que eu quero ler também está no kindle…e nem toquei na pilha da vergonha ainda. A coisa está feia).

    1. Olha, não vou nem entrar nos méritos da pirataria, mas é tão absurdamente fácil comprar livro pro kindle que isso deveria até ser ilegal. Tô lá dando uma bizu na amazon “opa, esse parece legal” clica, pronto, tá no kindle. Por isso vou tentar até mexer no meu. Ontem mesmo, quase já estava colocando coisa nova lá ><'

  2. Sou obrigada a dizer que: estou imitando.

    Vou evitar ao máximo comprar livros. Tem coisa da Feira do Livro de POA do ano RETRASADO que ainda não li. Ano passado, então, passei de todos os limites de compras de livros, nunca gastei tanto com isso na vida.

    E esse mês to até deixando passar coisas de parcerias. Simplesmente não dá, tem que terminar aquela pilha >.<

    Queria ter o mesmo controle, agora, com vestidos haahahhaa

    Boa sorte pra gente!

    1. Vamos ver se eu consigo manter o controle, hahahaha Estava pensando aqui e acho que promoção até me controlo, mas novidade é difícil, viu. Eu encasqueto com um livro aí parece que nenhum outro serve até eu ler aquele ><'

  3. Estou no mesmo barco… e tudo começou nessa mesma promoção do submarino. Eu fiquei tanto tempo vendo todos os livros da promoção e escolhendo quais eu queria que poderia ter terminado o livro que eu estava lendo.
    Então, comecei por: “Toda vez que eu pensar em comprar um livro, paro e vou ler o que eu já tenho.” Além de não comprar eu ainda leio mais… #tenso

    Oi, meu nome é Luana, e desde 28 de dezembro de 2012 estou sem comprar livros. o/

  4. A minha única garantia de não comprar livros ainda tendo uns trocentos pra ler é o fato de eu estar desempregada. Mas, ó, acho que estou “limpa” há mais tempo do que a maioria das pessoas que conheço. O último livro que comprei foi o do Biel, no amigo oculto de páscoa do Meia, Anica.

    E por falar na Rowling, ainda não vi ninguém que eu conheço que tenha lido o livro. Minha curiosidade não para de crescer. =/

    1. O da Rowling está na vitrine da livraria aqui perto de casa desde que foi lançado. Passo ali, dou aquela olhada, curiosidade lá no alto mas aí lembro que não terminei os Potter e aí desisto da compra +_+

  5. Tomei essa resolução em junho do ano passado – minha pilha da vergonha (na verdade, gavetas da vergonha, pois engaveto os livros com vergonha de encará-los diariamente) ainda tá grande; até porque, ainda compro quadrinhos (especialmente encadernados, que eu não deixo de ler) e minha vida fica oscilando entre as promoções de livros a que tento resistir (vc citou essa do submarino e fui imediatamente conferir… e já estava escolhendo alguns T.T, até perceber o ridículo e fechar a janela) e as hq’s encadernadas da qual não consigo resistir…

    1. Sabe o que é engraçado? No final do ano passado quase que fiz como resolução de ano novo “voltar a ler quadrinhos”, hehe. Tenho lido tão pouco =/ Acho que o último foi o Habibi (muito bom, por sinal)

  6. O problema é quando não se tem vontade de ler o que já se tem (o velho “não tenho roupa”, quando o armário tá cheio). E, convenhamos, tem que estar com a vida muito tranquila pra ler um Guerra e Paz ou outro catatau clássico. Aí a pessoa acaba se desmotivando a ler…

    O que eu tento fazer é escolher um grande desafio por ano da minha pilha da vergonha. Tipo, 2011 foi Os Miseráveis. Ano passado era Anna Kariênina, que não rolou e passou pra esse. Acho que é uma boa.

    Minha decisão, portanto, é de só comprar livros que vá ler imediatamente, aquelas vontades irresistíveis mesmo, amor à primeira vista, essas coisas.

    Massss… tem promoções boas demais, que não dá pra resistir. Balaios da Fnac e Cosac com 50% de desconto… Tem é que pensar bem. No Submarino tem muita coisa que dá vontade de comprar só por estar barato. Adoro entrar lá, encher o carrinho e não comprar nada. Super terapêutico.

    1. Eu estou querendo zerar minha lista de pendências para chegar bem nisso que você falou: de só comprar o que lerei imediatamente. Sem essa de comprar pra deixar na estante. Vai pra estante depois de lido =F

      (Também faço dessas de encher carrinho e depois fecho a janela, hahahaha)

  7. Olha, já faz um ano que não acumulo uma “pilha da vergonha”. Fico passando mal de vontade de comprar, mas não dá. Até que eu não sinto remorso de gastar com livros, sentiria mais se fosse compulsiva por roupas (não que eu não seja um pouquinho, rsrsr), mas mesmo assim, se não me controlar a pilha só vai crescendo, crescendo.

    Então fiz assim: tenho um limite de 6 livros não lidos, quando quero comprar um novo, tenho que liquidar outro antes. Tem dado certo, embora eu sofra um pouco, pois com tanto trabalho e filha pequena, não tem sobrado muito tempo para ler.

    Sem contar que por sua causa (rsrsrsrsrs), me viciei no Netflix, o que também tem tomado um tempo das minhas leituras!!! hahahahaha.

    Beijos,

    Flávia.

    1. Flávia, nem me fala no Netflix. Estou com minhas leituras bem atrasadas porque fico vendo filme e série até tarde da noite e aí quando chego na cama só quero dormir, nada de livro +_+

  8. Eu entrei na noia de fechar tudo do Sandman (incluindo o Sandman Apresenta) que saem em livrarias, mas tb compro as hq’s de banca (fechei a Era de Apocalipse dos X-men). É um ciclo vicioso safado: quando consigo parar de comprar livros me volto para os quadrinhos. Sacanagem…
    Obs: vou conferir o Habibi deve ser bom mesmo.

    1. Hahahaha, você acaba de me lembrar de um “problema” dessa coisa de gostar de quadrinhos. Realmente, um puxa o outro e quando você vê já está acompanhando umas 10 séries diferentes. Mas olha, a verdade é que sinto saudades disso, viu?

  9. Estou seguindo isso desde 2011, quando percebi que tinha livros demais e a estante já não os comportava. Anotei todos comprados/ganhos no ano, segurei a mão e até estou conseguindo me sair bem me controlando. Sei lá, é desperdício, sei que não vou ler, vou ocupar espaço e que poderia gastar o dinheiro com coisas mais úteis e urgentes. Até agora estou indo muito bem no meu propósito, em 2012, por exemplo, sobraram acho que 20 livros de um universo de 60 (1/3 é uma excelente marca) e pretendo ir diminuindo mais e mais. Desde 2011 não compro no Submarino, nem entro lá (e pior foi um dia desses, que resolvi fazer uma pilha de doações, descobrir que grande parte desses livros de promoções não seriam lidos nunca e foram doados sem serem ao menos tirados do plástico), o que vem diminuindo e muito meus surtos compulsivos. Sei lá, acho que o que mais me pegou foi a questão do desperdício mesmo: pra que me entupir de livros que não lerei agora? Claro, de vez em quando ainda esbarro em ofertas irrecusáveis, em livros que quero ler AGORA, mas tou muito, muito mais tranquila.

    1. Oi Ana! Concordo sobre essa questão dos livros parados na estante – é outra coisa que vou cuidar também, para não seguir no impulso e comprar algo que poderia muito bem esperar mais antes de comprar – até para ver se realmente queria ler. Ok, tem livro que esgota bem rápido, mas essa não é a regra.

      Sobre as promoções, a real é bem essa: vemos lá um livro por 10 reais, pensamos “Nossa, muito barato!” e nem pensamos se no final das contas ele não ficará eternamente na nossa lista de pendentes porque no final das contas nem queríamos ler tanto assim…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.