True Blood S05E01 até S05E04

Eu estava planejando voltar a escrever sobre True Blood desde o primeiro episódio, mas acabei me enrolando e no fim só vou comentar a partir do quarto episódio. E não foi por falta de animação, a realidade é que mesmo que com algumas reclamações (e quando não tem?) eu estou achando que esta temporada começou bem – melhor do que a quarta, que prometia tanto e no final das contas se for pensar bem ficou ali no so-so. Algumas personagens novas parecem bem promissoras, algumas situações novas idem. O que fica no porém por incrível que pareça é o mesmo de sempre, o tempo dado para personagens chatas ou tramas irrelevantes, que acabam estragando um pouco o ritmo da história principal. Mas vamos lá.

Começamos com Turn! Turn! Turn!, primeiro episódio da temporada. Ao contrário do que muitos esperavam, não foi o fim de Tara e, não que fosse muita surpresa, a ideia dos roteiristas para mantê-la na série foi… uau, transformá-la em vampira. Acho que a boa escolha foi terem colocado a Pam como maker da Tara, talvez o carisma da primeira acabe equilibrando um pouco as coisas sobre a chatice da segunda. Vide a tentativa de suicídio com bronzeamento artificial e o modo como Pam lidou com isso, além das piadas sobre a cria dela ter distúrbios alimentares com menos de três dias de vida. Enfim, já que não deu para tirar a pentelha da série, que pelo menos tentem progressivamente torná-la menos chorona e chata (o jeito dela falando de Sookie para o Bill dá uma indicação de que há chances).

Ainda sobre as derrapadas, estava esperando algo mais da história do Terry, que por algumas temporadas foi conquistando o posto de personagem favorito com aquele jeitão esquisito e ao mesmo tempo doce. O problema é que esse arco envolvendo a personagem interpretada pelo Scott Foley parece daqueles que só estão ali para encher linguiça, para manter a personagem de alguma forma “viva” na trama – porque veja bem, Terry casou com Arlene e está feliz, teoricamente não tem mais nada para acontecer com ele. Mas talvez fosse melhor deixá-lo como personagem secundário (como Arlene sempre foi), do que colocar minutos preciosos de uma série que só tem 12 episódios por temporada numa história completamente furada.

O mesmo para Lafayette. Chegou na série tão melhor, tão mais bacana do que nos livros que eu lembro que no final da primeira temporada achei até meio decepcionante que ele fosse morrer (pelo menos de acordo com os livros). E então ele não morreu, mas logo depois fizeram com que ele ficasse todo medroso sobre vampiros, e aí é sempre uma lenga lenga chorona de “I”m trying to save my ass” e coisas do tipo. E agora tem esse demonhão que ele encarna que poutz, não está legal. Está chegando num nível de chororô quase equivalente ao da Tara, estragando justamente o que ele tinha de melhor, aquela coisa de “não dou a mínima”. Estou quase achando que poderia ter sido ele naquele carro no final da primeira temporada, viu.

E aí das personagens novas eu confesso que desde o primeiro segundo de tela eu não gostei da Nora. Ela é linda, é badass, mas ela é oca, daquelas personagens que poderiam ter sido muito melhor construídas. E sim, parte da minha antipatia é porque oi, sou Team Eric, lembram? E não sei, mas fiquei com a sensação de que essa temporada está tentando conduzir as coisas para Bill e Sookie. Primeiro em uma cena em Turn! Turn! Turn!, quando Eric diz para Bill não se preocupar com Sookie, porque ela tinha dado um fora neles – para logo depois ter a cena da trepada com a Nora. Blé.

Mas dos deslizes acho que ficamos basicamente com isso, no mais a temporada está agradando bastante. A entrada da Autoridade de um jeito mais hum, “humano” (hehe) funcionou muito bem. Gostei muito do Roman e mais ainda da Salome, e foi uma ótima surpresa ver o Alastair de Supernatural ali entre os membros da Autoridade. E o modo como por causa deles Bill e Eric parecem estar ficando mais próximos também está ótimo – aliás, foi legal ver nos flashbacks da Pam um Bill todo noob quase levando um pau do Eric sem nem ter noção disso.

Aliás, falando da Pam, de longe a melhor personagem desta temporada. Não só pela Tara, mas eu que não tinha ficado muito satisfeita com o modo como eles estavam mostrando a relação dela com o Eric, achei muito, muito legal como ficou em We’ll Meet Again, o quarto episódio. Parece que eles conseguiram encontrar a dose certa entre a devoção/amor que ela sente por ele e o amor próprio que ela tem. É óbvio que ela será um dos nomes da temporada, até porque se for bobear, ela apareceu mais do que a própria protagonista da série, a Sookie.

Sobre a Sookie eu ainda acho que ela teve uma melhora progressiva da primeira temporada até aqui. E ela com Alcide nesse quarto episódio já era meio previsto, só acho que bobearam na hora de construírem a base do romance dos dois. Nos livros Alcide aparece como aquele cara perfeito, dos sonhos. Ele deixa Sookie à vontade, ele parece bem amigo mesmo – e é bonitão. Mas ali ficou parecendo que a Sookie só deu uns beijos nele porque estava bêbada, não sei. De qualquer forma, enquanto ela estiver ocupada com o Alcide significa que o chato do Quinn não aparecerá, o que é ótimo.

Se bem que sobre esse negócio de livro x série, esqueçam de perguntar para mim o que acontece nos livros, porque agora não tem mais NADA a ver com o andamento da história no papel. Eles pegam uma ideia aqui e acolá (por exemplo, o ataque aos shifters parece ter começado agora no quarto episódio, e ele é o plot principal do quinto livro), mas até por causa de mudanças que vem acontecendo desde a primeira temporada, agora tudo está bem diferente. É só pensar que nos livros não tem Jessica, Jason vira werepanther, quem mata Longshadow é o Eric e não o Bill, a figura do Russell não é tão importante (nem tão lunática) quanto na série, etc. Vai somando aqui e acolá e o resultado é esse, o show agora é imprevisível até para quem já leu os livros.

Tanto que eu não esperava que as fadas reaparecessem depois que Eric matou Claudine (que é bem importante nos livros). Agora tivemos Claude aparecendo no terceiro episódio (quando Jessica está na loja provando roupas) e depois no quarto com a boate das fadas. Eu li a maior parte dos livros da Charlaine Harris meio junto com os da Laurell K. Hamilton, então não lembro quem teve a ideia de uma boate de fadas antes, mas meu palpite é que foi com a Anita Blake, e não com a Sookie. Anyway, a verdade é que eles reapareceram, então podem colocar na trilha novamente o avô de Sookie, o presente que ela vai herdar da vó e coisas do tipo. Vamos ver.

Das coisas que continuam no mais ou menos: Jason e Jessica – alternando entre momentos bonitinhos e momentos chatinhos. Steve Newlin – achei engraçadíssimo ele saindo do armário para o Jason, mas depois parece que sumiu na história. Sam – sem o irmão chato parece um pouco melhor. O plot dos lobisomens – bizarrice define, mas até eu que odeio lobisomens estou achando bacana, só queria que o Alcide largasse mão de frescura e assumisse a alcatéia de vez.

E é isso. Devo voltar a comentar depois que passar o próximo terço da temporada, quando tudo já estiver bem mais definido.

4 comentários em “True Blood S05E01 até S05E04”

  1. FINALMENTE.

    Estou gostando dessa temporada! Talvez por já ter me acostumado ao nível mais ou menos da série, ou talvez por já ter me conformado que True Blood sempre começa bem, mas termina mal… estou gostando!

    Melhor Tara de toda série até agora. Tinha de virar vampira mesmo. E virou logo ~neta~ do Eric, hahaha… Vamos ver como será daqui pra frente.

    Melhor Pam do universo. Sem palavras. E agora que ela é ~mãe~, a tendência é melhorar ainda mais!

    Nora é idiota, pode morrer.

    Bacana os vampiros badass da Autoridade e tudo mais, mas isso me lembra o que sempre acontece em True Blood: eles apresentam um bando que goza de prestígio e requinte, repletos de servos figurantes… e aí, alguma idiotice acontece no meio da temporada e toda aquela estrutura desaparece – talvez seja caro manter tantos figurantes. Vide Russel e sua mansão na terceira temporada.

    Fadas de novo. Gosto de fadas, até curto a premissa dessas fadas do universo de True Blood, mas… vamos ver.

    Terry, Terry… tá chatinho mesmo, né? Seria melhor deixá-lo de lado, já que já havia resolvido a vida.

    Aliás, vários secundários sem importância não aparecem mais, o que é ótimo.

    Eu gosto de lobisomens, mas o que me irrita nos de True Blood é que são fracos demais para justificar tanta fanfarronice e agressividade. Eles deviam ser pelo menos fisicamente mais fortes e ameaçadores do que a maioria dos vampiros! Fracotes como são, só evidenciam o que são na verdade: uns baderneiros de gangue, trouxas e entediantes…

    Sam. Normal. Vamos ver.

    Russel é o vilão dessa temporada então? Sei lá… deveria ter continuado enterrado. Ou deveria ter morrido.

    Sookie é sempre imbecil, detesto-a sempre… por isso, acho ótimo ela estar aparecendo tão pouco!

    É isso! Agradeço, até daqui a um terço da temporada, hahahaha…

    1. Eu acho que os “vilões” da temporada são os membros da Autoridade, mais do que o Russell. Quatro episódios e o Russell mal apareceu. E a verdade é que curto o Russell um monte, mas eu acho que é tipo o Terry, personagem cujo arco de história já fechou e não deveria retornar. Porque depois daquele ataque ao vivo na tv, não tem muito mais o que fazer com ele que surpreenda o público, não sei.

      Esse negócio que vc falou dos criados e afins eu nunca tinha notado hahaha O que tenho lido de comentários é que todo mundo diz que o qg da autoridade parece o ministério da magia, mas como não li/vi tudo de harry potter acho que perdi a piada =S

      E concordo com vc, é bom que estejam reduzindo tempo de personagens secundários irrelevantes. É um dos erros das temporadas anteriores, na minha opinião, porque algumas coisas do plot principal tinham que se resolver às pressas porque não tinha tempo para desenvolver melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *