Quase fim de temporada…

here-kitty-5x18-house… pelo menos para as duas séries que tenho acompanhado, House e The Mentalist. Chuto aí no máximo mais uns cinco episódios para cada, embora o IMDb aponte mais quatro episódios para o primeiro e três para o outro. Eu sei que no final das contas nem dá para comparar uma com a outra, House está lá, firme e forte no quinto ano. Mentalist é uma ótima surpresa que tem rendido boa audiência lá fora (não sei como tem se saído aqui no Brasil) mas ainda está no começo, com todas aquelas ‘n’ possibilidades de dar caca.

Mas o que as duas têm em comum não fica apenas na questão do protagonista ser o espertão que tudo saca, tudo vê. Ok, Tanto House quanto Jane conseguem desvendar mistérios que parecem insolúveis para todos os pobres mortais ao redor. Mas acho que a característica semelhante mais marcante nas duas séries, inclusive que garantiram os cinco anos de House e provavelmente o mesmo tempo para Mentalist, são justamente os “pobres mortais ao redor”.

Veja o caso do episódio Bloodshot de Mentalist (s01e16). Foi muito legal. E nem tanto pelo mistério em si (eu matei a charada antes da revelação, e eu nem sou muito boa nisso), ou mesmo pelo Jane (embora um pouco do passado dele tenha sido revelado), mas principalmente por causa da relação da Van Pelt com o Rigsby. Aliás, toda a equipe (incluindo aí o Cho e a Lisbon) são ótimos, o que fica ainda mais evidente quando eles estão sendo focados, como no Crimson Casanova (s01e14), com o Cho em um dos melhores momentos dele.

Se a série continuar assim, tem tudo para manter o bom nível por mais tempo. A única coisa que eu não tenho certeza é se eles conseguirão segurar o segredo do Red John por várias temporadas, e nesse caso fico em dúvida sobre como eles poderiam explorar as ações do Jane depois disso.

Sobre o House, o exemplo de coadjuvante que faz a série ser o que é na minha opinião é principalmente o Wilson. Uma pena de verdade que não tenham explorado melhor a questão da Amber agora nesse quinto ano (acharam a “solução” meio rápido demais, na minha opinião). Mas os diálogos dele com o House às vezes fazem valer todo um episódio, como por exemplo a conversa no elevador na conclusão de The Social Contract (s05e17).

Cuddy também rende excelentes momentos, uma pena que tenham errado um pouco a mão no destino da personagem agora na metade do quinto ano. As demais personagens também são interessantes, acredito que pecam apenas em serem moles e muitas vezes piegas. Nesse caso o Kutner ganhou mil pontos na conclusão do episódio de ontem, Here Kitty (s05e18), que aliás, estava simplesmente hilário. E não, eu não adorei o episódio só porque tem gatos, antes que alguém fale isso.

No final das contas é aquilo: duas séries sendo conduzidas sem grandes estapafurdices e no final das contas mantendo um bom nível. Embora aparentemente não agrade a todos, né. Eu não consigo esquecer da cara da minha mãe dizendo um dia no almoço de família “Tá loco, como é que vocês gostam desse House? Aquele homem é muito chato!” ehehe

4 comentários em “Quase fim de temporada…”

Deixe uma resposta para Fabiano Neme Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.