A Noite do Terror Cego

tombs_of_the_blind_deadSim, seria Anicamente impossível passar o feriado sem ter visto pelo menos um filmezinho. E então quando chegamos nas cntp (frio e comecinho de noite) fomos conferir um filme de terror espanhol de 1971, chamado La noche del terror ciego. Aliás, só para registrar, o título em português é de Portugal. Não consegui achar qualquer informação sobre o lançamento do filme no Brasil, que dirá qual seria o título “oficial” aqui. Mas deixemos isso de lado e vamos à história, sim?

Dirigido e escrito por Amando de Ossorio, o longa começa com uma viagem de um casal mais uma amiga para o interior. Por uma razão até meio estapafúrdia, uma das mulheres resolve saltar fora do trem quando está próxima de ruínas medievais, que depois sabemos ser habitadas por cavaleiros templários mortos vivos ((O diretor faz questão de apontar que seus cavaleiros templários não são zumbis, uma vez que eles são inteligentes e yadda yadda yadda. Para mim são zumbis, blé. )) .

O momento que os cavaleiros aparecem pela primeira vez é realmente bem assustador. Pouco a pouco eles começam a sair das tumbas, para atacar a abobada que resolveu passar a noite sozinha nas ruínas medievais (bem feito! até parece que nunca viu filme de terror, hehe). A cena de ataque também é ótima, bem tensa mesmo que os templários movam-se devagar. Só que tudo isso acontece já na primeira parte do filme, e então você fica pensando “Ok, e agora, o que tem para acontecer?”

O que acontece é que os amigos da garota (os mesmos que não pularam do trem para acompanhá-la ¬¬) vão investigar seu desaparecimento. E é nesse momento que o filme cai bastante no ritmo, com a inclusão desnecessária de algumas personagens que acabam apresentando uma relação meio forçada entre si. Por exemplo, o bibliotecário que fornece informação sobre os templários é também pai de um sujeito que está contrabandeando produtos na região próxima às ruínas e portanto suspeito de estar cometendo os crimes.

Quando finalmente essa baboseira é deixada de lado e os templários voltam a atacar, aí sim o filme fica bacana de novo. Só que nesse meio tempo sua atenção já foi perdida, e aí você começa a reparar como os atores são canastrões (beirando ao cômico) e como o filme teria sido perfeito se toda a história se passasse apenas em uma noite, com os cavaleiros tocando o horror no pessoal que foi dormir lá.

De qualquer forma, acredito que valha a pena assistir o filme como curiosidade. Muito embora Ossorio diga que os templários não são zumbis, para mim a comparação parece óbvia (até a questão de ser mordido e transformar-se em “zumbi” também). Em tempo, olha o que achei no IMDb:

“Alguns distribuidores dos Estados Unidos reeditaram e relançaram o filme como A Revanche do Planeta dos Macacos, em uma tentativa de lucrar com o sucesso de O Planeta dos Macacos (1968). Um prólogo foi adicionado a essa edição para estabelecer uma relação dúbia entre os dois filmes.  O prólogo explica que 3000 anos atrás uma civilização símia de macacos superinteligentes lutou com a humanidade para ganhar o controle do planeta. No fim, os homens venceram os macacos após uma batalha brutal, na qual o homem destruiu os macacos, sua cultura e sociedade. Depois dessa batalha, os homens torturaram e mataram todos os prisioneiros-macacos vazando seus olhos com lanças de ferro quente. Um dos prisioneiros, que era também líder dos macacos, jurou que eles voltariam dos mortos para vingar a brutalidade dos homens em um momento anterior ao de que a própria humanidade destruísse a Terra.”

Santa ideia de jerico, Batman! 😆

4 comentários em “A Noite do Terror Cego”

  1. Nossa, que conexão absurda essa da trivia do IMDb. HAUEUAEH…

    Mas parece ser um filme bacana, apesar dessa queda de ritmo que vc apontou. Minha dúvida é onde encontrar filmes desse tipo 😛

  2. Não conhecia esse filme. Vou baixar, mas meu espanhol é muito ruim… será que encontro legenda?

    Jesus, iquiporraéessa do Planeta dos Macacos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *