Amazon chegou no Brasil!

Finalmente!!!! Acordei hoje cedo e lá estava, “kindle” nos tt do twitter, amigos curtindo a página da Amazon brasileira no Facebook e bem, a Amazon.com.br finalmente no ar. Eu estava acompanhando as notícias da Amazon no Brasil com alguma ansiedade por três motivos:

1. Já que aqui em casa nossos kindles estragaram 5 (sim, cinco) vezes, combinamos quando chegou na 5ª vez que só pegaríamos outro quando a Amazon já estivesse por aqui. Vejam bem, a política da Amazon.com sobre isso sempre foi  superior a de qualquer loja brasileira. A primeira vez que o kindle do Fábio congelou, ele já não estava mais na garantia e mesmo assim a Amazon mandou um novo para ele. Problema é: sempre que a Amazon reenviava um novo, tínhamos que pagar o imposto. E como vocês bem sabem, o imposto é uma facada. Por isso concluímos que seria melhor esperar, até porque de repente com a Amazon chegando por aqui eles podem começar a oferecer um tipo de suporte técnico que não podiam a longa distância.

2. A Amazon é famosa lá fora por oferecer preços bem baixos, o que significaria a oportunidade de vermos por aqui preços de e-books um pouco mais baixos do que os praticados atualmente (que tem quase o mesmo valor dos livros de papel, o que acho meio absurdo).

3. Algumas vezes aconteceu de eu querer um livro *por causa* da tradução, e não tinha ainda a opção de tê-los em um formato que eu pudesse ler no kindle. Um exemplo é o Ulysses com a tradução do Caetano, que cheguei a comprar a edição impressa, mas continuo me enrolando para ler porque o fato de ele ser um tremendo catatau meio que diminui as opções de lugares ou situações em que eu posso ler o livro. Agora tá lá, na Amazon, bonitinho, o Ulysses.

Mas ok, então que chegou. Não passei todo o tempo que gostaria especulando o site (que por enquanto só conta com os e-books, já que o Kindle ainda não está disponível), mas já tenho algumas respostas para certas dúvidas (ou mesmo expectativas) que eu tinha antes da chegada da loja. A saber:

a) Se assim como eu você comprou seu kindle na Amazon.com, em breve você poderá transferir sua conta para a Amazon.com.br. Fábio disse que hoje logou com a conta dele do site e já estava como br, mas meu kindle continua na mesma. Anyway, o que acontece depois dessa transferência é que você não pode mais comprar livros do catálogo da gringa, só da nacional. Já vi algumas pessoas chiando sobre isso na página da Amazon no Facebook, mas pelo que reparei, uma boa parte dos livros que estão disponíveis no catálogo da .com também estão na .br – com a vantagem que na .br você tem acesso aos livros das editoras nacionais. Ainda vou pesquisar mais sobre isso antes de mudar para o .br, mas ao que me parece é até vantajoso, no final das contas. Seria ruim se a .br só oferecesse livros nacionais mas, como não é o caso, já dá até para considerar a troca.

b) O modelo de Kindle que estará disponível para venda aqui no Brasil é o mais simples lá da .com. Comparando com o Kobo da Cultura, fica aquela sensação de que você está escolhendo entre um nokia 3310 e um galaxy sIII, mas não se enganem: embora obviamente gerações novas do aparelho representem sempre vantagens, a verdade é que mesmo o Kindle mais xumbrega oferece uma experiência boa de leitura – eu digo isso porque tenho um kindle 3 e não tenho do que reclamar, para ler meus livros serve muito bem. De qualquer forma, ele está chegando aqui no Brasil por R$299. Enquanto as Polianas celebram o fato de que é cem reais mais barato do que o Kobo da Cultura, os mais reclamões lembram que lá fora o mesmo modelo sai por 69 doletas (ou, no valor do dólar de hoje, 146 reais). Para o pessoal do segundo time, vale lembrar que a conta só com o preço do kindle está incompleta, já que tem que colocar aí também frete e imposto, continha que o Gabriel já fez no twitter: Kindle na Amazon US importado pra cá, com frete + imposto: US$216,54 = R$459. Na Amazon BR: R$299. Então para quem está em dúvida, ESTE MODELO (ênfase para isso) está compensando comprar na .br, quando começar a ser vendido, é claro. Editado: Leiam o comentário do Gabriel ali embaixo. Ele lembrou de uma coisa que eu tinha esquecido. O modelo por 69 dólares é o com propagandas, que não é vendido para fora dos Estados Unidos, assim o modelo sem propagandas, que é vendido para cá, sai por 89 dólares.

c) Preços dos livros. Infelizmente, sobre os nacionais, as notícias não são muito animadoras: valores semelhantes aos que já víamos, com os mais populares com preço variando entre 21 e 17 reais. Há também umas bizarrices tipo o Ulysses que linkei ali no começo do post, que está saindo por 33 reais, ou O Ano da Morte de Ricardo Reis por 38. Preços meio fora da casinha na minha opinião, mas que talvez em breve comecem a mudar. Porém, sobre os livros estrangeiros, a maior parte está com preço semelhante ou mais barato do que na gringa (novamente citando o Gabriel, “”A Dance with Dragons”, US$14,99 = R$31,43 na Amazon US e R$21,69 na Amazon BR.”).

Então assim, é ÓBVIO que é cedo para bater o martelo sobre qualquer coisa. Por isso meu conselho para você que estava esperando para comprar um e-reader é que espere um pouco mais, pesquisando catálogos, preços, vantagens e desvantagens. Por exemplo, parece que tem autor que em formato digital sairá exclusivamente pela Amazon. Então, não saiam na euforia do uhuuuu kindle e kobo no brasil!!1111!!, não só porque eles acabaram de chegar, mas também porque está chegando perto do Natal. E vocês sabem o que isso faz com o preço das coisas, não?

Em tempo: PELOAMORDEDEUS, vejam bem o que vocês querem antes de comprar um e-reader. Tem muita gente que confunde tablet com e-reader, e um bom exemplo disso é gente falando do Kindle Fire como se fosse e-reader. O Fire é um tablet, não tem e-ink, serve para ler livros mas TAMBÉM para ver filmes, por exemplo. Já o kindle que será vendido aqui é só um e-reader, com e-ink, texto preto e branco que serve para isso, ler. Prestem atenção nisso porque já vi gente criticando e-reader porque estava avaliando como se fosse tablet.

10 comentários em “Amazon chegou no Brasil!”

  1. Uma coisa sobre o preço do modelo (Kindle 4 sem teclado) é que pra nós nunca foi o de US$69, que lá fora é o que vem com propagandas, mas sim o de US$89. Quando se tenta comprar o de US$69 no site americano, na hora do checkout aparece a mensagem de que ele não está disponível pra envio pro Brasil, e então colocam um link para o único modelo disponível: o de US$89 (que é o sem propagandas). Foi em cima desses US$89 que fiz a conta ali em cima, somando o frete e o imposto.

  2. Nossa, ontem fui na Cultura, e achei o Kobo horrível! Nunca tinha visto pessoalmente. Claro que achei o máximo por ser levíssimo o que tornaria bom para carregar para lá e para cá e para ler em qualquer posição, mas é muito pequena a tela. Acho que não me adapto! O Kindle que vem parece que também é desse tamanho (6 polegadas).

    Anica, vc tem alguma experiência com o aplicativo do Kindle para IPad? Eu ainda sou meio “cabreira” com e-readers, mas jpa que vou comprar um IPad por outros motivos, queria saber se é bom para usar com essa finalidade!

    Abraços,

    Flávia.

    1. flávia, o tamanho da tela dá quase a página de um pocket – se vc lê pocket consegue ler um kindle na boa. eu pelo menos não me incomodo com isso, na realidade sempre que sai um catatau (tipo o contra o dia do pynchon) eu fico pensando que seria melhor deixar para ler no kindle hahaha odeeeeio ler livro pesado. nunca acho uma posição que não canse ><' sobre o ipad, eu não tenho experiência, mas acho que é uma boa alertar para o fato de que o ipad, como tablet, tem uma tela semelhante a do computador. então se sua vista fica cansada ao ler algo no computador, provavelmente ficará num tablet tb. é até por isso que sempre falo da diferença entre tablet e e-reader para as pessoas. acho que o tablet deve ser especialmente bacana para quem lê bastante HQ, por exemplo. ou para textos e livros mais curtos.

  3. Oi Anica,

    Sabe que acabei baixando o Ibooks para meu IPhone só para ter uma idéia de como seria no IPad (claro que não a experiência do tamanho). É possível baixar as amostras dos livros.
    Realmente tem o que vc disse: cansa a vista ler muito tempo.
    To lendo “Norweggian Wood” no papel e é bem pesadinho, o que me fez concordar totalmente com vc, nessas horas deve ser fantástico ter um e-reader. Até pq ando com meus livros para baixo dia e noite, e é cansativo andar com um tijolo por aí!
    E quando almoço sozinha e quero ler… dificil coordenar os talheres e segurar as páginas, que teimam em virar. Acho que com o e-reader o problema se resolve!!!

    Resumo da ópera: Acho que no fim, vale tudo, um e-reader para as vantagens citadas acima, os livros preferidos em papel (não abro mão), e um IPad, para ler revistas, jornais, jogos para os filhos e para usar a internet em viagens (eu viajo bastante a trabalho!).

    Abraços!!!

    Flávia.

  4. Eu não quis mudar minha conta pra Amazon Br. A única vantagem da mudança é poder comprar livros em português. Em compensação, você fica impedido de comprar todos os produtos da Amazon.com. Pra quem costuma viajar para os EUA (ou conhece gente que viaja com frequência), lá se foi a chance de mandar produtos para o hotel e trazer para o Brazil na bagagem.

    Acho mais vantagem abrir uma conta nova na Amazon Br, distinta da original, do que fazer a migração de contas (ai, no caso, o sujeito talvez fosse obrigado a ter mais de um kindle em casa, escolha complicada essa que a Amazon colocou no nosso colo).

    1. Oi Marcio!

      Eu achei que eram coisas distintas – mudar no kindle não alterava na loja virtual. Porque assim que meu marido logou na conta dele no dia que a amazon br passou a funcionar, a conta dele já estava automaticamente como .br, mas no kindle continua sem alteração. Agora fiquei meio confusa sobre isso, vou pesquisar melhor – porque se altera a loja virtual também, aí é como você disse, não vale a pena mesmo (pelo menos enquanto a Amazon br não vender os mesmos produtos que vende lá fora, né?)

        1. Poutz, PÉSSIMA notícia, Marcio. Estão dando um tiro no pé. Já tinha algum tempo que eu não comprava nada na americana (prefiro a uk pq o custo benefício da taxa de entrega é melhor), mas acho simplesmente absurdo isso. Espero que eles voltem atrás.

Deixe uma resposta para Marcio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *