Heathers

Não, sério. Pense no que leva uma pessoa que mal tem tempo para assistir uma série e está lá com uma fila enorme de coisa para ver, a assistir a um filme de adolescentes dos anos 80 cujo título em português é um bizarro “Atração Mortal”? Eu ainda estou tentando encontrar a resposta do motivo pelo qual fiz isso, sério. Devo estar me punindo por alguma coisa, não sei. Vi algumas imagens do filme em um tumblr que sigo (btw, agora eu tenho um tublr também), fui pesquisar sobre ele, aí li que tinha a Brenda pré-Barrados no Baile no elenco, Winona Ryder e Christian Slater pequerruchos e por aí vai. Depois, vi qualquer comentário sobre “não existir Garotas Malvadas sem Heathers”, e como gostei muito de Garotas Malvadas, lá fui eu.

Mas a verdade é que infelizmente alguns filmes envelhecem (ou você envelhece para alguns filmes). Do começo ao fim não teve nada que realmente me prendesse à trama, que convenhamos, já foi mastigada diversas vezes pelo cinema, toda aquela conversa de quem é o popular da escola, o que sofre bullying, o que tenta ser popular e yadda yadda yadda. A “novidade” é que a que quer ser popular se junta com o namoradinho para ir matando os populares e fazer com que pareça suicídio.

Há sim muita crítica ao universo adolescente, mas como disse, o filme envelheceu e muito só diz respeito à geração dos anos 80. Um dos melhores momentos de Heathers é quando a mãe diz para a filha que quando um adolescente reclama que quer ser tratado como um ser humano, é justamente porque está sendo tratado como um ser humano. Seguindo isso, quando a mocinha diz para um rapaz que ser popular é quase como um trabalho – fora isso é um punhado de clichê com frases que tentam parecer legais, mas hum, não com quem já passou dos 20 eu acho.

O engraçado é que tanto a trilha sonora quanto a estética do filme me fizeram lembrar MUITO de A Hora do Pesadelo. Fiquei pensando em que momento Freddy apareceria do nada para exterminar aquele bando de personagem chata e fazer a história parecer um pouco mais legal. Pense em gelo seco, muito azul e muito vermelho e pans, tá aí o visual. Há uma tentativa de criar uma relação entre cores e personagens (a mocinha seria azul, a vilã vermelha) mas as cores de outras personagens parece meio sem propósito algum (como das outras Heathers, amarelo e verde).

Enfim, a verdade é que eu assisti e continuei assistindo pensando que veria uma comédia que vence o próprio tempo e que diria alguma coisa para mim mesmo eu não sendo mais adolescente. É o caso de Garotas Malvadas, que vi quando já tinha passado da suposta “idade” para conferir, e ainda assim me diverti.

Nesse caso eu só perdi tempo. Deveria ter parado na metade e ter começado alguma coisa diferente da enorme lista do que ainda tenho para assistir. No mais, só fico curiosa que eu nunca tenha ouvido falar desse filme anteriormente. Não passou em nenhuma Sessão da Tarde ou algo que o valha por aqui no Brasil? Será que todo mundo que viu naqueles tempos também achou ruim e preferiu esquecer?

Um comentário em “Heathers”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *