Uma Longa Queda

uma-longa-queda.JPGE eis que finalmente posso conferir o (já não tão) novo Hornby, Uma Longa Queda. Aliás, o período do ano não poderia ser mais apropriado: a história começa com o encontro de quatro estranhos no topo de um edifício de Londres, famoso por ser o local preferido dos suicidas, na véspera do Ano Novo. Martin, Maureen, JJ e Jess, que não têm nada em comum a não ser o fato de que, naquele dia tinham resolvido cometer o suicídio, mal percebem quando pouco a pouco cada um vai tomando um espaço em suas vidas.

O divertido da história é que ela é contada sob o ponto de vista dos quatro, em primeira pessoa. Assim, as características de cada um ficam claras no discurso, como por exemplo a Jess, que fala sem parar e utiliza um palavrão a cada quatro palavras, ou Maureen, que é toda recatada (na verdade um oposto perfeito da Jess). E como a história é contada por cada um deles, de certa forma você vai conhecendo as personagens junto com os demais.

Assim, é quase como fazer novos amigos. E aqui, é claro, a história é recheada daquele humor típico do Hornby, que faz total diferença em um livro que tinha tudo para ser o mais deprê de todos os tempos (afinal, não vamos esquecer que as personagens-narradoras são todas suicidas, certo?). Só para variar, há alguns momentos que simplesmente não tem como segurar o riso, lembrando muito o dia do pato de Um Grande Garoto.

É verdade que na terceira parte o livro perde um pouco o pique, mas é bem legal perceber como Hornby nos conduz de um evento para outro como se estivéssemos em uma montanha russa. É aquele tipo de história que nos faz lembrar que, acima de tudo, ler tem que ser um prazer.

Segue um trechinho:

“(…) – E se a gente tivesse visto alguma coisa?
– Tipo o quê? O que deveríamos ter visto?
– Que tal se a gente tivesse visto um anjo?
– Um anjo – disse JJ sem acreditar.
– É.
– Eu não vi anjo nenhum – disse Maureen. – Quando você viu um anjo?
– Ninguém viu anjo nenhum – expliquei. – Jess está propondo que inventemos uma experiência espiritual para ganharmos dinheiro.
– Que horror – disse Maureen, pelo menos porque era claramente previsível que ela reagisse dessa forma.
– Não é exatamente uma invenção, é? – disse Jess.
– Não? Em que sentido de fato vimos um anjo?
– Como se chama isso em poesia?
– O que foi que disse?
– Você sabe, nos poemas. E na literatura inglesa. Às vezes se diz que alguma coisa é igual a alguma coisa e às vezes se diz que alguma coisa é alguma coisa. Você sabe, meu amor é como a porra de uma rosa ou, outra coisa qualquer.
– Símiles e metáforas.
– É. Exatamente. Foi Shakespeare que inventou esse bagulho, não foi? Por isso ele era um gênio.
– Não.
– Então quem foi?
– Deixa para lá.
– Por que Shakespeare foi um gênio? O que ele fez?
– Outra hora falamos sobre isso.”

4 comentários em “Uma Longa Queda”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.