Grindhouse

grindhouse1_large.gifSexta-feira cheguei do trabalho, abrimos um vinho e fomos conferir o tal do Grindhouse, do Rodriguez e do Tarantino. Diz que a idéia de fazer uma homenagem ao “double-feature” partiu do Rodriguez, e Tarantino achou bacana e resolveu embarcar. O fato da idéia ser do Rodriguez talvez explique porque ele levou a coisa mais “à sério”, chegando mais próximo dos filmes b que eles tentam homenagear do que Tarantino. Mas já falo mais sobre isso, vamos ao Grindhouse em si.

A idéia é assim: dois filmes (Planet Terror do Rodriguez e Death Proof do Tarantino), e no meio disso alguns trailers falsos de filmes b, dizer que um dos títulos que aparecem nos trailers é Werewolf Women of the SS já deve dar o tom da brincadeira, certo?

Logo de cara, o filme começa com o falso trailer de Machete (que você pode conferir clicando aqui), e então vem o melhor de Grindhouse, Planet Terror. Eu sei que sou suspeita para falar isso, uma vez que adoro filmes de zumbi e coisas do tipo. Mas o que fez Planet Terror mais bacana, é que é um escracho só, ele não se tenta levar a sério em nenhum momento, e justamente por isso você embarca na história sem ficar pensando: “O quê? Uma metralhadora na perna?”

grindhouse2_large.gifNão, você simplesmente se diverte, do início ao fim: porque é essa a proposta. E quando seguem os outros trailers falsos (Don’t!, Werewolf Women of the SS e Thanksgiving), além de uma propaganda muito nojentona de comida mexicana, você está em ponto de bala, digamos assim. Louco de vontade de conferir o que afinal de contas titio Tarantino fez para nós.

A resposta é: não foi grande coisa. A piazada que curte carro provavelmente terá orgasmos com Death Proof, mas eu senti que o filme foi muito mais uma homenagem do Tarantino a ele mesmo do que uma homenagem aos filmes B (que era a idéia de Grindhouse, lembram?). Isso porque o filme todo é recheado de citações ao Kill Bill, Cães de Aluguel, Pulp Fiction… Então, somando o fato que tudo estava perfeito até aquele momento, é no mínimo decepcionante assistir ao último filme, que tem de legal, legaaaaal mesmo apenas uma cena.

Aliás, entre personagens femininas do Tarantino e as do Rodriguez, perdão, mas sou muito mais a Cherry Darling e a Dr. Dakota Block. Agora para a notícia ruim: o mais provável é que só chegue no Brasil em dezembro. Para piorar, não será uma double-feature, mas dois filmes separados, o que descaracteriza a coisa, é óbvio…

7 comentários em “Grindhouse”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.