Primeiro Fausto e etc.

Pois então… estava na rua no momento em que desabou um dos maiores torós esse ano aqui em Curitiba (detalhe: vestida de branco ¬¬’), adoro minhas turmas de terça (ainda mais quando chegam quatro alunos novos dizendo que “Não gostaram da aula da Ana Carolina e queriam ficar na minha turma”) e eu cheguei a conclusão que me desaponto muito com as pessoas porque espero delas coisas que elas não são (ou coisa do gênero).

Ah, hoje na aula da Patrícia eu estava dando uma olhada no livro do Fernando Pessoa que a Sol me emprestou, aí me dei conta da grande injustiça que rola com o poeta. Falamos de Pessoa e logo vem um espertalhão dizendo “Tudo vale a pena… etc.” ou “o poeta é um fingidor… etc.” e colocam no limbo trabalhos LINDOS LINDOS LINDOS como Primeiro Fausto, um poema dramático dividido em quatro temas e o que ele chama de dois diálogos.

Para se ter idéia do que estou falando, vou colocar uma passagem do Terceiro Tema, que é A falência do prazer e do amor:

XXI

– Amo como o amor ama.
Não sei razão pra amar-te mais que amar-te.
Que queres que te diga mais que te amo,

Se o que quero dizer-te é que te amo?

Quando te falo, dói-me que respondas
Ao que te digo e não ao meu amor.

Ah! não perguntes nada; antes me fala
De tal maneira, que, se eu fôra surda,
Te ouvisse todo com o coração.

Se te vejo não sei quem sou: eu amo.
Se me faltas […]
… Mas tu fazes, amor, por me faltares
Mesmo estando comigo, pois perguntas –
Quando é amar que deves. Se não amas,
Mostra-te indiferente, ou não me queiras,
Mas tu és como nunca ninguém foi,
Pois procuras o amor pra não amar,
E, se me buscas, é como se eu só fôsse
Alguém pra te falar de quem tu amas.

Quando te vi amei-te já muito antes.
Tornei a achar-te quando te encontrei.
Nasci pra ti antes de haver o mundo.
Não há cousa feliz ou hora alegre
Que eu tenha tido pela vida fora,
Que não fôsse porque te previa,
Porque dormias nela tu futuro.

E eu soube-o só depois, quanto te vi,
E tive para mim melhor sentido,
E o meu passado foi como uma ‘strada
Iluminada pela frente, quando
O carro com lanternas vira a curva
Do caminho e já a noite é tôda humana.

Quando eu era pequena, sinto que eu
Amava-te já longe, mas de longe…

Amor, diz qualquer cousa que eu te sinta!
– Compreendo-te tanto que não sinto,
Oh coração exterior ao meu!
Fatalidade, filha do destino
E das leis que há no fundo dêste mundo!
Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto
De o sentir…?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *