A Letra Escarlate (Nathaniel Hawthorne)

matteson_scarlet_letterComo alguns de vocês sabem, minha monografia foi sobre o Poe. Uma aplicação da crítica do autor em sua própria obra, digamos assim. E um dos textos que fornece um ótimo material para uma idéia que Poe tinha da unidade de efeito, era uma resenha que ele escreveu sobre o Twice-told Tales do Nathaniel Hawthorne. Foi o primeiro contato que tive com Hawthorne, e a verdade é que ele esteve sempre na minha estante em A Letra Escarlate mas sempre colocava outros livros na frente e deixava para depois.

Li no final de semana passado, e simplesmente devorei o livro. Sim, ele é curto e é bem fácil devorá-lo em um final de semana. Mas não é só por ele não ser um tijolão, é porque a narrativa flui muito bem e Hawthorne consegue manter sua curiosidade do início ao fim da história de Hester Prynne. Na puritana Nova Inglaterra do século XVII, a mulher  é acusada de adultério e deve usar uma letra A escarlate para mostrar para todos o crime que cometeu.

A questão de como Hawthorne prende nossa curiosidade se dá primeiro porque Prynne se mantem firme na idéia de não revelar quem era seu amante (aliás, que fique claro: em nenhum momento há dúvidas se ela traiu ou não). E o autor vai lançando dicas aos poucos, e só entrega a identidade dele quando já fica óbvio para o próprio leitor. Depois disso, a curiosidade se dá em saber o que acontecerá com o amante, e com a própria Prynne.

É um romance pesado, carregado. Não fica suave nem mesmo com o humor do Hawthorne, porque ele é muito cáustico. Não é leitura daquelas para te fazer sentir mais feliz sobre a humanidade, porque mostra o pior da humanidade: seja nos puritanos que fazem de Prynne uma pária por ela ter se envolvido com outro homem, seja pelas reações do amante

clique aqui para ler o spoiler
que é um covarde, convenhamos. Eu fiquei com muita raiva da primeira vez que a Pérola pergunta “Você vai ficar aqui amanha conosco? Vai segurar em nossas mãos como está fazendo agora?”  e ele responde que o fará no juízo final
.

É interessante também como Hawthorne apresenta Pérola, a filha de Prynne com o amante. Prynne chega a vestir a menina de escarlate, tal como a letra que carrega no peito – um prolongamento do pecado da mãe. Apesar de ser uma criança, Pérola é a personagem que melhor visão tem de todos os acontecimentos, inclusive ela deixa claro que sabe quem é o homem por trás da letra A, quando comenta com a mãe que ele está sempre com a mão no coração.

Uma história da dualidade humana, bem versus mal, mas extremamente sutil. A pena é que Hawthorne erra um pouco a mão no fim e tenta fazer um final feliz (pelo menos para Pérola), achei um pouco desnecessário. Mas mesmo assim não estraga o todo e é certamente um daqueles que caberia em uma estante de “livros que todos deveriam ler”. Tem uma versão para o cinema com Demi Moore e Gary Oldman, mas lá no Meia Palavra já li comentários de que mexem muito na história e ela fica bem pouco fiel.

Um comentário em “A Letra Escarlate (Nathaniel Hawthorne)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.