Teeth

Eu não sei se já aconteceu com vocês, de assistir a um filme tão bizarro, mas TÃO bizarro que você passa dias pensando se gostou ou não do filme. Eu estou nessa desde que assisti Teeth (que aparentemente não tem data de lançamento aqui no Brasil, portanto nada de títulos traduzidos por enquanto). Não dá nem para comentar o plot sem fugir da estranheza: Dawn, uma adolescente obcecada com a idéia de casar virgem, descobre que é diferente das demais garotas – a vagina dela tem dentes. É, isso aí.

Enfim, porque o filme é esquisito? Não, não é pela vagina com dentes, por incrível que pareça. Nem pela quantidade de pênis decepado que começa a aparecer após um certo ponto da história. Na realidade, é porque ele é todo irregular. Você não sabe se é comédia, se é horror, se é panfleto feminista. Poisé, panfleto feminista. Porque se Dawn consegue manter o “segredo” de sua anatomia, é porque todos que o conhecem é na base do estupro ou variantes do desrespeito sexual (até o básico “aposta com amigos”).

E isso é bacana, porque confere um pouco de verossimilhança à bagunça toda. O maior problema? Deixaram de lado algo que poderia tornar o filme absurdamente mais interessante: a idéia de se há de fato dentes na vagina de Dawn ou não. Até certo ponto, fica parecendo que é só piração da protagonista – o que até daria margem para toda aquela conversa de como o início de uma vida sexual pode ser carregado de mitos e medos (no mesmo estilo que Eraserhead trata um pouco dos medos da paternidade de um jeito bem freak).

Mas ao entregar o ouro já na metade do filme (na primeira consulta de Dawn ao ginecologista), a verdade é ue a história toda cai um pouco e depois disso vai do estranho para o absurdo exagerado (o que envolve até incesto). A sensação final é de que alguém errou a mão ao tentar fazer um terrir, e a piada não teve qualquer graça. E aí passam os dias e você ainda está pensando nesse filme, e o Sundance dá um prêmio do Juri Especial para a atriz que interpretou a Dawn, e você fica pensando se você não entendeu bem a piada só porque não tem um pinto. É, talvez seja terrir para meninos.

5 comentários em “Teeth”

  1. Eu adorei o Teeth! Ele é tão divertido :g:

    A moral é que ela se torna uma paladina, já que, num primeiro momento ela defende a castidade, a escolha do parceiro ideal, num segundo momento ela passa a ser uma justiceira do sexo!

  2. Engraçado, essa descrição me lembra o Garganta Profunda e, convenhamos, a Linda Lovelace e o desenrolar da trama de um bom e velho filme porno parece muito mais divertido que o Teeth.
    De qualquer maneira, vou assistir. Foda-se.

  3. :surprised: É o pesadelo de qualquer macho que se preze 😆

    Fiquei curioso pra caramba, vou baixar. O que mais me admira é que não existe limite para as bizarrices que são capazes de inventar para fazer um scream movie tosco. :think:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.