Liberdade na TV

selo.jpgAntes de mais nada, alguns esclarecimentos: primeiro, eu não assino tv a cabo (só vejo na casa dos sogros ou da minha mãe, hehe). Segundo, não costumo acreditar em abaixo-assinados (até hoje todos dos quais participei não deram em nada). Terceiro, sou uma defensora fanática da liberdade, por isso comentarei sobre um assunto que, levando em consideração os dois primeiros pontos, eu nem deveria estar falando.

A questão é que um projeto será votado em breve, impondo que a tv por assinatura seja composta por 50% de canais brasileiros e 10% dos canais estrangeiros apresentem programas nacionais1. Já imaginou o belo cocô que será a tv paga, certo? Uhum, igualzinha à tv aberta. Só que você pagará por isso, o que torna a coisa toda um pouco mais difícil de engolir.

Aí a solução é a de sempre: fazer barulho. Sim, querido pimpolho internético, eu sei que você poderá baixar seus seriados estrangeiros favoritos e que esse negócio não mudará nada, mas são pensamentos semelhantes a esses que fazem com que a politcarada faça e aconteça e fiquemos sempre aqui, de bobos e braços cruzados.

Há um site no qual você pode se informar (inclusive sobre alguns “gênios” favoráveis ao projeto, como por exemplo Erundina, Jorge Bittar, João Maia, etc.), chamado Liberdade na TV. Lá tem uma ferramenta que parece melhor do que os ditos abaixo-assinados, o telefone da Câmara dos Deputados: 0800619619. Gente, é 0800, de graça. Saca quando você está entediado no trabalho e não tem absolutamente nadica para fazer? Pois então, liga lá. Tá chateado com a vida e quer desabafar? Liga lá.

Aproveita e na próxima eleição não vote nesses doidos que acham que o sentimento de amor e respeito à pátria vem por imposição. ¬¬’


  1. Na realidade, na semana passada a proposta mudou de 50% para 25% 

6 comentários em “Liberdade na TV”

  1. Não sei. A primeira vez q eu vi sobre esse projeto foi numa enxurrada de propagandas das próprias empresas de tv a cabo meio desesperadas pra q isso não seja aprovado. A verdade é q a maioria dos bons canais já apresentam programas nacionais e provavelmente os canais vetados seriam aqueles q ninguém vê e se bobeia todo mundo já até tirou do scan da tv. Esses canais só servem pra inflar o pacote que a tv a cabo vende a preços irreais. Além disso muitos canais têm condições de produzir nacionalmente e acho que só temos a ganhar com isso. Tirando aquela série “Avassaladoras” que a Fox produziu um tempo atrás, as produções nacionais podem ser muito boas. E tudo isso eu só refleti com base no princípio “Se a Net não quer, deve ser bom pra mim”.

  2. Pera lá!!!!!

    Esse projeto de lei é para PROGRAMAÇÃO nacional ou seja, que tudo que for programado seja feito no Brasil, gerando empregos. Os programas seriam/poderiam ser estrangeiros (como as sitcoms, enlatados, etc) só que quem decide a programação é o núcleo brasileiro. O que acontece é que a maioria dos canais tem sua programação feita na América Latina, grande parte no México e poucas coisas feitas no Brasil, como a narração de chamadas e as legendas (que são feitas por empresas privadas, as mesmas que legendam filmes). Por isso que muitas vezes ocorrem chamadas em espanhol.

    Se a lei fosse aprovada poderíamos produzir chamadas próprias, receber episódios/filmes em nossa programação com mais rapidez, criando programetes como aquele da TNT com REF e gravando no próprio país (para quem não sabe os apresentadores desses programates, mesmo que seja em português têm que morar fora do país para gravar no mesmo estúdio que gravam para os outros países). Um dos casos de programação no Brasil é do Disney Channel, programas da própria Disney e nos espaços para programas regionais (para identificação das crianças) o Zapping Zone.

  3. Quanta idiotice!
    Esta porra está paecendoum país comunista! se eu pago , é porque quer ver proramação internacional , e não esses lixos nacionais !

    Pintem a bandeira nacional de vermelho de uma vez então , cacete!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.