Cinco livros

boy-reading-book.gifAlguns dias atrás vi esta idéia lá no Debaixo da terra e fiquei morrendo de vontade de fazer também: um top5 de livros favoritos. Aí, eu cheguei a conclusão de que simplesmente não consigo elaborar esse tipo de lista, até porque eu desenvolvi um método próprio de top5 romance, contos, crônicas, poesias, hqs e drama. Blé.

Mas de qualquer forma, não perderei a oportunidade de falar de livros! A idéia sofrerá uma leve adaptação e o que vocês lerão a seguir nada mais é do que…

TOP5 LIVROS ‘PARA GOSTAR DE LER’!

mochileiro_galaxias.jpg5. O Guia do mochileiro das galáxias – Douglas Adams

A série completa não costuma agradar a todos, mas o primeiro livro é uma unanimidade: é impossível não se divertir horrores com o humor nonsense do Adams. A história começa com Arthur Dent, um inglês típico, fugindo da “demolição” da Terra com o amigo Ford Prefect (que ele descobriria logo depois que era um alien). O livro está cheio de sacadas geniais (tipo o ‘babel fish’) e tem aquela graça de quem ri de si mesmo a todo o tempo. Altamente recomendado (sobre a versão para o cinema, eu diria que o ideal era fazer de conta que ela não existe, mas tem gente que gostou…).

filhos1.jpg4.  Os filhos da Candinha – Mario de Andrade

Ah, não, lá vai ela falar DE NOVO deste livro. Poisé, vou sim. E não é à toa, não. Crônicas e contos, acredito eu, são a isca ideal para os leitores preguiçosos ou aqueles que ainda não gostam de ler. Sabe como é, texto curtinho e tudo o mais. E eu até poderia colocar aqui uma coletânea de contos do Machado ou do Trevisan, mas acredito que o Mario tenha a seu favor uma simplicidade única no uso das palavras. E sim, há também a atualidade de tudo o que ele escreveu (insisto sempre na crônica Brasil x Argentina, de 1930). É apaixonante, e acho que de alguma forma pode ajudar as pessoas que têm algum ranço com relação à Literatura Brasileira.

cachorro.jpg3.  O estranho caso do cachorro morto – Mark Haddon

Nesse caso eu recomendo a leitura no original, em inglês (o nome é The Curious Incident of the Dog in the Nigh-Time) e eu já falei dele aqui no Hellfire também. Apesar de ser um livro infanto juvenil, há sutilezas nele que servem apenas a olhos mais maduros e atentos, acredito eu. Preciso deixar claro que ele não é um livro “engraçado” como o Guia dos Mochileiros, ele tem um humor ácido – porque as críticas ao nosso comportamento são feitas através dos olhos de um menino que tem síndrome de asperger (sintomas parecidos com o autismo), e a ingenuidade com que ele coloca algumas coisas contrasta com a forma como complicamos isso. É uma experiência única e vale a leitura, até porque o ritmo da narrativa é bem gostoso e você realmente se deixa levar pelo turbilhão de acontecimentos que o menino se envolve após a morte do cachorro.

candido.jpg2. Cândido ou O Otimismo – Voltaire

Acho que esse foi um dos primeiros livros “de gente grande” que li na adolescência, e me apaixonei perdidamente por ele – tanto que, mesmo reconhecendo que Zadig é melhor, ainda acabo citando Cândido na minha lista de favoritos e de sugestões. Vai entender. De qualquer forma, em Cândido temos o bom e velho Voltaire, esculachando a filosofia do melhor dos mundos de Leibniz com o senso de humor de sempre. Esse é altamente recomendável para os que gostam de aventura, até porque cada capítulo da história é uma pequena história vivida pela personagem principal, que chega inclusive a passar pelo Paraguai.  Muito bacana mesmo, boa literatura e indolor (já que tem gente que acha que a qualidade de uma obra está diretamente ligada a complexidade da mesma).

tres.jpg1. Os três mosqueteiros – Alexandre Dumas, pai

Não adianta, esse ainda é *o* livro para fisgar alguém pelos caminhos da literatura. De primeira, o tamanho do livro assusta: é tão grande quanto O Senhor dos Anéis, por exemplo. Há até uma explicação para isso, Dumas recebia por página, então ele enrolava o máximo possível. Mas sabe qual é a parte mais bacana? Em nenhum momento você pensa “poutz, que saco, quanta encheção de lingüiça!” Não, não. Você é levado à França dos mosqueteiros e a narrativa te envolve de tal maneira que é quase como passear em uma montanha russa. E eu continuo achando que os mosqueteiros são as personagens mais carismáticas já criadas na literatura. É ler e ter a certeza de que pelo menos um deles você vai gostar mais. Então, deixe o medo (e a preguiça de lado) e procure já por esse livro. Vale muito a pena (e a experiência da leitura é única, então por mais que existam boas adaptações cinematográficas, nada se compara ao que você sentirá lendo).

9 comentários em “Cinco livros”

  1. Sabe que eu ganhei do Rê o “Grande livro de Culinária” do Alexandre Dumas? Ele narra histórias e receitas que viu/conheceu/aprendeu viajando pelo mundo.
    É beeeeeem legal!

    :mrpurple:

    Beijo!

  2. Strange Lepton on 26 June, 2007 at 12:41 am said:

    Fiquei curioso para ler o estranho caso.

    É muito bom mesmo, assim que esbarrar em um leia. Não vou dizer que é foda ( :mrgreen: ), mas está entre um dos melhores modernos que li atualmente. =]

    Raphael on 26 June, 2007 at 1:37 am said:

    A noticia eu tinha visto na UOL, mas no google achei essa foto também. Não sei se é do site oficial da designer.

    http://www.sakurah.net/collections/cave.htm

    Uou, SONHO DE CONSUMO :joy:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *