As melhores (e piores) leituras de 2012

tumblr_mf61ghatTR1qgu5b6o1_500Eu estava me enrolando um certo tanto para fechar esta lista porque tenho Os Enamoramentos ali no criado-mudo, e como ele tem aparecido com relativa frequência nas listas de melhores do ano por aí, achei que poderia acabar aparecendo na minha também. Mas verdade seja dita, tem duas semanas que estou empacada com A Mulher de Preto e meio que numa preguicinha de ler (burn out depois de 70 livros no ano? Pode ser), então, se eu realmente gostar do livro do Marías prometo fazer um post separadinho para ele. Agora vamos lá, para o que eu li de melhor e de pior este ano (ieeei). Top5 aleatório, não está em ordem de preferência – já é difícil o suficiente selecionar só 5 livros, humft.

MELHORES LEITURAS DE 2012

Serena (Ian McEwan): Me surpreendeu bastante, primeiro porque esperava muito dele (McEwan, oras!) mas aí no começo fiquei em dúvida de onde ele queria chegar, para então chegar um momento de simplesmente se apaixonar pelo livro. Se apaixonar do tipo: ficar feliz quando outras pessoas dizem que vão ler, querer dar de presente, gostar de falar sobre ele. Ainda não supera Reparação, mas é uma obra linda, e que tenho certeza que cativa qualquer pessoa que tem na leitura um hábito regular, já que as questões levantadas pelo romance acabam se encaixando exatamente na relação entre o autor e o leitor. Genial mesmo. Mais comentários sobre o livro aqui.

Bonsai (Alejandro Zambra): Ok, de novo nós leitores estamos no centro da narrativa, talvez isso aponte um padrão, não sei. Acho que o que mais me surpreendeu em Bonsai é em como ele faz um exercício de escrita – podando qualquer coisa que seria supérflua, como se fosse moldando seu texto tal como um bonsai mesmo. É curtinho, mas diz tanto, mexe tanto conosco que não tem como deixar passar batido. E Zambra ainda ganhou alguns bonus points depois do “Eu fumava muito bem“. Ainda não subi este post aqui para o Hellfire, mas ele está de certa forma arquivado em um blog que criei para testar o upload de backup, então você pode ler meus comentários sobre o livro aqui.

Foco (Arthur Miller): Eu já era fã do Arthur Miller antes de ler este livro. Mas Foco parece um daqueles casos em que você termina a leitura e pensa “Uou, queria ter sido amiga desse autor”. O modo como Miller faz uma crítica social sem errar a mão é algo que realmente merece destaque: não é piegas, mas não deixa de ser tocante. Choca sem ter que recorrer ao óbvio e, o que é melhor, cria uma história que permite a reflexão. E uma história linda. Mais comentários sobre ele aqui.

Jogos Vorazes (Suzanne Collins): Confesso que tinha uma vaga reservada para outro livro aqui, mas aí lembrei da leitura de Jogos Vorazes, de como depois até bateu uma depressão pós-leitura, de como a trilogia prendeu minha atenção, me divertiu, me emocionou e pensei, wtf, e por que um livro infantojuvenil não merece um espaço em uma lista de melhores leituras do ano se de fato foi uma das melhores? Para mais comentários sobre a trilogia, mesma gambiarra de Bonsai. Aqui sobre Jogos Vorazes, aqui sobre Em chamas e aqui sobre A esperança.

A trama do casamento (Jeffrey Eugenides): Eu não gostei da história logo de cara, tem pedaços que acho que poderiam ficar de fora, mas o livro envelheceu tão bem para mim que acabou ganhando um espaço aqui. Não li pensando em relações com David Foster Wallace como muita gente leu, e talvez isso tenha permitido um envolvimento diferente com o trio principal da história. E sabe aqueles livros que tempos depois de ler você ainda lembra de alguns trechos e fica pensando sobre ele? Tanta coisa que leio e acaba sendo boa, mas esquecível – e aí Eugenides dá um jeito de ficar na minha cabeça mesmo meses depois de eu ter lido a obra. Mais comentários sobre ela aqui.

PIORES LEITURAS DE 2012

Não vou dedicar muito tempo e espaço para isso, fica só como um alerta para quem estiver querendo se aventurar com alguns dos títulos a seguir: cuidado, as chances de que você ache uma bomba são bem grandes.

Começamos com o óbvio, a trilogia Cinquenta Tons de Cinza (E.L. James).Tentei ler até com senso de humor, mas não deu. Não desceu. Assim como Crescendo (Becca Fritzpack) e Resposta Certa (David Nicholls), dos quais falei brevemente aqui. Entrando aqui por causa do fator decepção, tem Everyone’ Reading Bastard, do Nick Hornby, que certamente já fez coisa muito melhor do que isso. E fechando a lista tem Os Gêmeos, de Pauline Alphen, por não ter fôlego para desenvolver uma ideia tão legal (embora eu ache que deva ressaltar que é o menos pior dos cinco aqui citados).

13 pensamentos em “As melhores (e piores) leituras de 2012”

  1. Ótimo post como sempre!

    Li Serena, Bonsai e A trama do casamento tá no meu criado mudo me esperando, juntinho com 1Q84, do Murakami, mais um livro de contos da Ali Smith e um livro da Carola Saavedra.

    Também fui acometida por essa preguiça e to empacada em um livro de contos paquistanês (Em outros quartos, outras surpresas).

    Abraços,

    Flávia Cardoso.

  2. 70 livros no ano? Morri. Meu maior recorde foi em 2011, quando li 62. Esse ano, não cheguei a quarenta. Uma vergonha imensa. Mais tempo para leitura é o que eu gostaria de ter. Anda impossível. Avancei sessenta páginas de “Serena”. Ainda não cheguei no “objetivo” da obra, mas tenho gostado do que li. A Serena é meio Madeleine Hanna: a gente se identifica com a moça. É o meu segundo McEwan apenas.
    2012 não foi um ano de leituras excelentes, sabe. Tive somente algumas boas leituras. Espero mais do ano que vem.
    Anica, teu blog tá ótimo. Esse layout melhora muito a leitura, torna-a mais prazerosa.
    E obrigada pelo teu senso crítico, que pude conhecer esse ano. uma das melhores descobertas que me ocorreu!
    Abraços!

    1. Esse ano foi mais fraco, ano passado eu passei de 100. Mas ano passado eu tinha o horário do mamá do arthur que eu usava para ler no kindle, aí dava para ler dois livros ao mesmo tempo (um no kindle e um de papel). =]

      Espero que goste de Serena, foi o meu favorito este ano. Mas acho que a sensação q vc teve também tive – foram boas leituras, livros que gostei muito, mas não sei se eles vão entrar no top10 da minha vida (aquela coisa de não ser só bom, ser extraordinário mesmo, sabe?).

      E obrigada pelos elogios =] O hellfire estava largado porque eu só cuidava do Meia, mas agora voltei a ter algum tempo para ele posso ir mexendo aqui e acolá. ^^

      Beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *