Habilitação

Eu tenho cá para mim que da mesma forma que (teoricamente) precisamos atingir a maioridade e tirar carteira antes de dirigir, deveria existir um tipo de licença para as pessoas falarem – e ouso até dizer conviverem. A burrice e o egoísmo são características congênitas dos seres humanos e muito embora a grande maioria das pessoas saiba dosar um e outro, os acidentes são inevitáveis justamente porque todo mundo fala o que dá na telha, sem calcular as conseqüências.

Agora pense, se existisse uma licença para falar. Na verbo-escola a pessoa aprenderia regras básicas como:

a) Se vai se arrepender depois do que vai dizer agora, não diga

b) Se está falando só para atingir alguém de quem gosta, não fale.

c) Se falou e se arrependeu, assuma. Não tente nem cobrir o que foi dito com falsas desculpas, muito menos com uma fingida ignorância das conseqüências do que você falou.

d) Tente não falar de cabeça quente.

e) Não fale de uma pessoa para terceiros. Essa pessoa vai ficar sabendo.

Além disso, é claro, a pessoa teria curso de conversação defensiva, o que se resumiria basicamente em como resolver conflitos e/ou desentedimentos com diálogo e não “achismos”. De preferência, que a coisa fosse resolvida no tempo certo, e não quando meia dúzia de pessoas já foram atropeladas com palavras, pré-julgamentos e afins.

Sabe aquele provérbio besta das três coisas que não voltam? “A flecha quando lançada, a palavra quando proferida e a oportunidade quando perdida” Poisé. Não que eu não acredite no perdão para quem fez mal uso das palavras ou não entende lhufas de conversação defensiva (hehe). Mas às vezes, de acordo como as coisas ocorrem, nem vale a pena insistir na tal da reabilitação. Melhor brincar de tapar os olhos (ou os ouvidos?).

11 comentários em “Habilitação”

  1. Falar é uma arte: fuder verbalmente também. Se um quinto das pessoas de São Paulo passassem a conhecer a educação verbal, toda a minha diversão iria por água a baixo. Pode ser desagradável pra quem gosta de alimentar a utopia de um ser humano humanisado, mas é um balde cheio pra nós aqui, como porcos urbanos pós-modernos.

  2. Fala de cabeça quente é realmente um problema. Sempre sai bobagens. Por isso quando a situação aperta, vc vê que vai vomitar verborragicamente umas asneiras em cima de alguém que, provavelmente, merece, ligue o foda-se e seja cínico. Quem mantém a língua dentro da boca nunca lambe o chão.

    Vc está de parabéns, andei fuçando na sua página e você tem um ótimo gosto para filmes e histórias em quadrinhos. Eu particularmente sou fã do Alan Moore e do Will Eisner.

  3. Aliás, carteira de habilitação não quer dizer nada. Eu, p.e., tenho carteira e não sei dirigir… e existem pessoas que tem carteira, sabem dirigir e aprontam barbarismos. O mesmo valeria para uma hipotética carteira de habilitação para diálogos.

  4. Ou a idéia de nunca falar o que vc acha de determinada situação- afinal conselhos era melhor nunca dá-los, afinal a pessoa nunca te escuta mesmo e age de acordo com sua cabeça.

Deixe uma resposta para newspaper editor Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.