Descompasso Literário

Ano passado estava procurando um presente de natal para minha sobrinha e, pensando na idade e tudo o mais, achei que o ideal seria dar algum livro que marcou minha infância para ela, já que a Bibi (para meu orgulho) também tem o bom hábito de ler. Aí fiquei na dúvida: dou para ela A Marca de Uma Lágrima ou A Morte tem Sete Herdeiros?

Sabia que, infelizmente, ela já tinha passado da fase de ler A Vida Acidentada de um Vampirinho, bem como A Fada que Tinha Idéias e Flicts. Mas eu apostava em senhores como Pedro Bandeira, ou ainda em algum título de Marcos Rey na Coleção Vaga-lume. E qual a triste conclusão que eu chego? Que mesmo que ela tenha acabado de completar 12 anos, esses livros não servem mais para ela.

Não é nem culpa dos calhamaços da J K Rowling, mas do que é ser uma criança de 11 anos hoje em dia. A falta de inocência dessa última década acaba refletindo no gosto literário também. Você já tem tanta “sacanagem” disponível em tv, internet e videoclipes, por que ler uma versão juvenil e inocente de Cyrano de Bergerac?

O que eu vejo é um baita descompasso. Lembra um tanto o Rob Flemming falando sobre descobrir a ironia no livro Alta Fidelidade:

“Nós tínhamos doze a treze anos, e havíamos recentemente descoberto a ironia – ou pelo menos, aquilo que mais tarde compreendi ser a ironia: só nos permitíamos brincar nos balanços e no carrossel e nos outros brinquedos infantis enferrujados do parque se fosse com uma espécie de distanciamento irônico e autocrítico. Isto significava: ou fingir estar distraído (assobiar, bater papo, ou mexer com um toco de cigarro ou uma caixa de fósforos em geral bastavam), ou flertar com o perigo, de modo que pulávamos dos balanços quando estes estavam na altura máxima, pulávamos do carrossel quando este estava à velocidade máxima, nos pendurávamos na ponta do vai-à-lua até que alcançássemos uma posição quase vertical. Se você conseguisse de alguma forma provar que esses entretenimentos infantis tinham potencial de arrebentar os seus miolos, então brincar neles era legal, de alguma forma.”

Em tempo: só para deixar registrado, terei a maior desilusão da minha vida se meu filho não gostar de ler.

12 comentários em “Descompasso Literário”

  1. Dá o Lolita do Nabokov então…. :mrgreen:

    Realmente os livros que a gente leu na nossa infância são totalmente ultrapassados em relação à juventude de hoje. Acho que a Coleção Vaga Lume está fadada ao esquecimento, já que, ou a criança é jovem demais pra LER ou já é “madura” demais pro CONTEÚDO.

    O problema é o descompasso entre a evolução moral e a intelectual da criança, com tanta coisa “avançada” sendo empurrada pra cara dela desde cedo em mídias “mastigadas” – a.k.a. mídia que a criança consiga compreender no momentum intelectual em que ela se encontra – ao passo em que a criança não consegue absorver o assunto de todas as formas de maneira gradual, deixando ela de certa forma “manca”, já que ela já consegue compreender determinados assuntos, mas não tem base pra evoluir de forma mais “organizada”.

    Enquanto eu escrevo isso, eu lembro dum professor meu do primeiro semestre da faculdade, da cadeira de Introdução ao Estudo do Direito, quando um aluno perguntou alguma coisa pra ele – ok, minha memória não é TÃO boa assim – e ele respondeu “ah, pra eu te responder isso primeiro tu vai ter que ver tal matéria na aula de Teoria Geral do Estado”… isso nunca tinha feito tanto sentido pra mim, IMO. :uhu:

    Mas…. ela já leu O Pequeno Príncipe?

    *interessante o corte que eu dei no assunto, não? :hanhan:

  2. Skywalker on 20 Janeiro, 2006 at 1:35 pm said:

    Dá o Lolita do Nabokov então…. :mrgreen:

    Tá loco, Lolita só com 15 anos! :dente:

    Skywalker on 20 Janeiro, 2006 at 1:35 pm said:Realmente os livros que a gente leu na nossa infância são totalmente ultrapassados em relação à juventude de hoje. Acho que a Coleção Vaga Lume está fadada ao esquecimento, já que, ou a criança é jovem demais pra LER ou já é “madura” demais pro CONTEÚDO.

    Exatamente! O que não deixa de ser triste. Fiquei dando uma olhada no catálogo da série vaga lume e deu mó saudades =/

    Skywalker on 20 Janeiro, 2006 at 1:35 pm said:O problema é o descompasso entre a evolução moral e a intelectual da criança, com tanta coisa “avançada” sendo empurrada pra cara dela desde cedo em mídias “mastigadas” – a.k.a. mídia que a criança consiga compreender no momentum intelectual em que ela se encontra – ao passo em que a criança não consegue absorver o assunto de todas as formas de maneira gradual, deixando ela de certa forma “manca”, já que ela já consegue compreender determinados assuntos, mas não tem base pra evoluir de forma mais “organizada”.

    E o que sai de adolescente problemático não tá escrito…

    Skywalker on 20 Janeiro, 2006 at 1:35 pm said:Enquanto eu escrevo isso, eu lembro dum professor meu do primeiro semestre da faculdade, da cadeira de Introdução ao Estudo do Direito, quando um aluno perguntou alguma coisa pra ele – ok, minha memória não é TÃO boa assim – e ele respondeu “ah, pra eu te responder isso primeiro tu vai ter que ver tal matéria na aula de Teoria Geral do Estado”… isso nunca tinha feito tanto sentido pra mim, IMO. :uhu:

    Hehehe… eu faço isso de quando em quando. “Nevermind, não vou discutir Capitu com vc até que tenha cursado pelo menos Teoria I” :mrpurple:

    Skywalker on 20 Janeiro, 2006 at 1:35 pm said:Mas…. ela já leu O Pequeno Príncipe?

    Ela eu não sei, mas eu já

    :mrpurple:

  3. newspaper editor on 20 Janeiro, 2006 at 4:05 pm said:

    Nabokov sempre é uma boa :mrgreen:

    Aliás, eu NUNCA LEREI PEDRO BANDEIRA, EU NUNCA LEREI PEDRO BANDEIRA, EU NUNCA LEREI PEDRO BANDEIRA, EU NUNCA LEREI PEDRO BANDEIRA.

    Bom, agora vc já passou da fase mesmo :dente:
    Mas não seja ranzinza, para adolescente, ele é bem bacana =]

    Família do Pedro Bandeira said:

    etc.

    😮

    Bibi^^ on 21 Janeiro, 2006 at 2:36 am said:

    Aniiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiica!!! Eu jah li o “A Morte Tem Sete Herdeiros” :mrpurple:

    Minha sobrinha, meu orgulho :love: :hug:

  4. Pra mim esse negócio de inocência perdida vai muito de criança pra criança… minha prima tem 12 anos e adoooora os livros “Coleção Vaga Lume” e não tem vergonha de brincar no escorrega, só que agora ela é dona da brincadeira hahahaha

    Dá “O Menino do dedo verde” então… eh mais um passo em direção ao Pequeno Príncipe e a Alice 😉

    Em tempo: Não fui lá mas pensei muito em vc no dia e no 18 mesmo… tenho até planejado um caixa pra vc, só não sei o que vc vai guardar nela hahaha
    Beijos!

  5. Nana on 21 Janeiro, 2006 at 9:55 am said:

    Pra mim esse negócio de inocência perdida vai muito de criança pra criança… minha prima tem 12 anos e adoooora os livros “Coleção Vaga Lume” e não tem vergonha de brincar no escorrega, só que agora ela é dona da brincadeira hahahaha

    Dá “O Menino do dedo verde” então… eh mais um passo em direção ao Pequeno Príncipe e a Alice 😉

    O Alice eu só daria depois dos 18 😯 Mó locão aquele livro. E liiiiiiindo :love:

    Nana on 21 Janeiro, 2006 at 9:55 am said: Em tempo: Não fui lá mas pensei muito em vc no dia e no 18 mesmo… tenho até planejado um caixa pra vc, só não sei o que vc vai guardar nela hahaha
    Beijos!

    nhó, eu recebi sua mensagem! obrigada por lembrar, nana :love: :hug:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *