Ídolos

ídolosEu confesso que apesar de alguns amigos terem dito que morriam de rir ao assistir ‘American Idol’, nunca parei para conferir o programa: aquela coisa, TV não é exatamente o meu forte. Mas dia desses trocando os canais vi a propaganda da versão brasileira ‘Ídolo’, que passará no SBT.

E qual não foi a minha surpresa ao ver que um dos jurados é nada mais nada menos do que o Carlos Eduardo Miranda?! Sério, pelo menos um dia terei que conferir, nem que seja gravando em vhs para ver depois, hehe. Esse cara provavelmente fará valer a pena – se ainda for o Miranda de outros tempos.

Ele costumava escrever para a revista Bizz, naquela fase foda com o André Forastieri, e o Camilo Rocha. A fase era foda para o rock nacional também, um tempo que bandas como Pato Fu e Skank ainda estavam no começo. De qualquer modo, o cara é louco e não tem papas na língua, por isso insisto que valerá a pena conferir.Miranda

Em tempo: jesusamado, o pessoal do SBT copiou até o site do American Idol, será que isso estava no pacote também? Confiram:

Versão Tio Sam

Versão Tupiniquim

5 comentários em “Ídolos”

  1. O Silvio Santos sempre foi o rei do plágio, né? Copiar um site é café pequeno pro cara.

    A fase da Bizz que vc citou foi a melhor de todos os tempos… me diz uma coisa, vc lembra de uma revista General ou é uma ilusão de minha cabecinha criativa? Sempre que falo nessa revista fodaça ninguém se lembra…

    Teu blog tá muito bão…

  2. Mas claro que eu lembro da General, era do Forastieri, não? Nossa, sinto tantas saudades daqueles tempos da Bizz, depois que virou Showbizz bleh

    E obrigada pelo elogio ao blog :love:

  3. Então, a General era muito boa, mas não colou… veicular cultura nesse país não é fácil. Era do Forastieri sim, e eles deram espaço para muita gente da cena alternativa que hoje faz sucesso. A primeira fez que ouvi falar de Little Quail foi lá.

    “Minha mãe me bate, o meu pai me espanca, meu irmão mais velho, no quarto me tranca”

    Abs.

  4. Ronzi on 30 Março, 2006 at 3:36 pm said:

    Então, a General era muito boa, mas não colou… veicular cultura nesse país não é fácil. Era do Forastieri sim, e eles deram espaço para muita gente da cena alternativa que hoje faz sucesso. A primeira fez que ouvi falar de Little Quail foi lá.

    “Minha mãe me bate, o meu pai me espanca, meu irmão mais velho, no quarto me tranca”

    Abs.

    1, 2, 3, 4!
    1, 2, 3, 4!
    Não tem cinco!
    Não tem seis!
    Parou no quatro!
    1, 2, 3, 4!

    Na bizz já tinham falado deles. É tão engraçado, ter acompanhado algumas bandas começarem e acabarem (tipo o Raimundos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *